Como fazer o décimo terceiro ser positivo para você e seu negócio

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Com a proximidade do fim de ano, os empresários e administradores do mercado livreiro devem ter cuidados especiais com as finanças dos negócios e as pessoais também.

Para os negócios, é hora de investir, buscando aproveitar os milhões que entrarão no mercado em função do décimo terceiro salário; assim, é hora de estratégias para conquistar os clientes, pois livros sempre serão ótimos presentes, mas só esse fato não fará com que se venda mais, é preciso inovação e planejamento.

Não adianta investir sem direcionamento e é isso que observo em muitos casos. O segredo é planejar cada ação com antecedência e, mais que isso, colocá-las em prática e divulgá-las corretamente, caso contrário, será apenas mais dinheiro jogado fora.

Um bom exemplo é a contratação de vendedores, por causa do crescimento da demanda. Com certeza, esse é um investimento necessário, contudo, se esses profissionais não estiverem preparados para atender bem o cliente, a ação poderá ter um efeito inverso.

Outro ponto são as promoções; se elas não forem adequadamente divulgadas, não surtirão os efeitos desejados. Como se pode perceber, nesse momento, é fundamental que se estabeleçam estratégias, decidindo quais serão as ações e também uma análise de tudo o que é necessário para que o dinheiro investido tenha o retorno esperado.

Enfim, para os negócios, chegou a hora de investir, mas de forma centrada, sem fazer loucuras. Para tanto, também é importante fazer um diagnóstico da real situação financeira da empresa, vendo o que tem em caixa, o que pode ser investido e o quanto deve ter de reserva.

Como falei, investimentos são necessários, mas, se a situação não está sendo boa para as finanças da empresa, o cuidado deve ser redobrado, evitando assumir compromissos que não possa cumprir no futuro, como empréstimos altos e com juros exorbitantes. Lembre-se também que existem gastos extras típicos do período, como o décimo terceiro, que também devem ser postos nas contas. Tendo tudo isso em mente, é hora de captar negócios.

 

Finanças pessoais

Já para as finanças pessoais, o momento também deve ser de grande cuidado. Caso você também receba o décimo terceiro salário, evite a atitude errada de partir imediatamente para pagar dívidas ou gastar, não percebendo que ganhos extras, na verdade, deveriam ter outra finalidade: poupar para realizar sonhos. Assim, mesmo com todos os gastos de fim de ano, este é o momento para começar a poupar.

A falta de domínio da situação financeira leva a um hábito comum, que é esperar sobrar algum dinheiro no orçamento mensal para realizar os sonhos. Tem também o poupador, que guarda dinheiro sem um objetivo definido, o que é outro grande erro, já que, dessa forma, esse dinheiro será alvo fácil para compras por impulso. 

Seja qual for o seu perfil, recomendo reservar parte do que se ganha (principalmente do 13º) para realizar sonhos. Isso é possível, desde que se tenha foco e disciplina. O ideal é definir três sonhos materiais – de curto (um ano), médio (até 10 anos) e longo (mais de 10 anos) prazos. Recomendo que entre esses sonhos estejam a liquidação de dívidas (caso as tenha) e a aposentadoria digna (independência financeira).

Deve-se calcular quanto seria necessário poupar por mês para a realização desses sonhos dentro dos prazos pretendidos. O valor a ser poupado deve entrar no orçamento, ou melhor, deve ser priorizado. Isso significa que o valor a ser poupado para os sonhos devem ser descontados dos ganhos (da receita) e, com o saldo restante, se define o seu real orçamento ou padrão de vida a ser adotado.

Para essa readequação de orçamento, recomendo um balanço anual da situação financeira, fazendo um diagnóstico de gastos diários, durante 30 dias – para identificar aonde está indo cada centavo e facilitar a escolha de corte de supérfluos –, além do controle mensal do orçamento.

Esse é um exercício que leva o indivíduo ou a família a um esforço de corte de gastos, porém, motivados pela certeza de que serão recompensados com a realização dos sonhos.

 

Outras formas de poupar

  • Evitar compras por impulso: os consumidores devem se fazer algumas perguntas antes de comprar – Estou comprando por necessidade ou movido por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Se não comprar isso hoje, o que acontecerá? Tenho dinheiro para comprar à vista? Se comprar a prazo, terei o valor das parcelas?;
  • Pesquisar preço e comprar à vista: tudo o que se compra em prestações paga-se mais caro. Já quem pesquisa o melhor preço, paga menos e aumenta a chance de comprar à vista e obter desconto;
  • Pedir desconto: se um produto custa R$1.000 e pode ser parcelado em 10 vezes, certamente, à vista, custará de 10% a 20% menos;
  • Reter 10% dos rendimentos: para começar a construir a independência financeira, deve-se guardar 10% do que se ganha. Com o tempo, pode-se partir para um plano de previdência privada para complementar o INSS.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.