Como começar a planejar com os novos valores de IPVA e IPTU

O aumento do IPTU e a redução do IPVA provocaram mudanças no orçamento financeiro de quem mora em São Paulo.  Mas, com o mínimo de planejamento, é possível resolver essa questão da melhor forma.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Duas notícias recentes vão alterar um pouco o planejamento financeiro dos moradores de São Paulo: o IPVA terá redução média de 5,16% para carros e 5,08% para motos de todo o Estado, enquanto que o IPTU aumentará até 20% para imóveis residenciais e 35% para comerciais da cidade.

 

O acréscimo no valor do IPTU irá impactar negativamente na maior parte das famílias e empresas brasileiras, uma vez que não são educadas financeiramente e, por isso, não possuem uma reserva financeira para cobrir imprevistos como esses. Além disso, o brasileiro, em geral, não tem a cultura de cobrar os seus representantes, por exemplo, com relação a esse aumento abusivo, se compararmos à situação real. Esse seria o primeiro passo.

 

O segundo, então, seria mudar o comportamento em relação ao dinheiro, educando-se financeiramente, ou seja, aprendendo a respeitar seus recursos e entendendo que, sem planejamento, não há como ter uma vida sustentável, em todos os sentidos. Sendo assim, a próxima etapa é estar ciente do novo valor de IPTU a ser cobrado. Não se esqueça de rever as dívidas remanescentes, para ter noção do total das despesas mensais.

 

Caso não tenha uma reserva financeira, recomendo fazer um diagnóstico, para saber quais são os gastos e qual pode ser reduzido – ou até cortado. Outra dica é tentar pagar à vista, pois, dessa forma, é possível conseguir um desconto de, aproximadamente, 6%. Se não for possível, insira imediatamente o valor das parcelas no orçamento dos meses seguintes. Somente assim poderá evitar um futuro endividamento.

 

Procure não utilizar o décimo terceiro salário para esse fim. O salário extra que os trabalhadores recebem no fim do ano tem o objetivo de facilitar a realização dos desejos e sonhos e não de pagar dívidas, entrando em um círculo vicioso. Uma boa solução é redirecionar o valor economizado no IPVA para o pagamento do IPTU; assim, a diferença não pesará tanto no orçamento.

 

Mas, caso você tenha como pagar o novo preço sem precisar mexer em outros valores, invista o dinheiro que sobrar do IPVA em seus sonhos – de curto (até um ano), médio (até dez anos) e longo (acima de dez anos) prazos. Não se deve esquecer também das outras despesas que vem com o novo ano, como matrícula e material escolares, gastos referentes a dezembro feitos no cartão de crédito, entre outros.

 

Priorizar os sonhos é o segredo para que 2014 seja um ano de atitudes mais conscientes e hábitos mais saudáveis com relação ao dinheiro e, consequentemente, em todos os âmbitos da vida.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.