Antecipação da restituição do IR demanda cautela

Pedir a antecipação do imposto de renda pode ajudar no pagamento de dívidas mais urgentes, mas a decisão deve ser bem analisada.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

A prática de buscar antecipação da restituição do imposto de renda é bastante comum, o que, infelizmente, demonstra a falta de educação financeira da população. Na maioria das vezes, quem precisa do dinheiro são os que estão endividados, no entanto, não percebem que, recebendo antes, acabam perdendo rendimento. 
 
Outro ponto que devemos ressaltar é que agindo assim, as pessoas só estão resolvendo a consequência do problema e não a causa, não terminando essa situação que pode ser um círculo vicioso. Então, o correto seria fazer um diagnóstico financeiro detalhado para saber a real condição em que se encontra, antes de qualquer coisa. Assim, você terá base para solucionar de vez o descontrole das finanças.
 
Se perceber que a situação está realmente fora de controle e que a antecipação da restituição é a última opção, são necessários alguns cuidados na hora de decidir por essa alternativa. Os contribuintes devem estar certos de que tudo está preciso na declaração entregue ao governo, pois, caso contrário, poderá cair na malha fina da Receita Federal – o que é muito comum –, tendo que arcar com o valor do empréstimo. Por esse motivo, sempre aconselho muita cautela ou mesmo a ajuda de especialistas no assunto.
 
Sendo assim, é possível perceber que o pedido de antecipação só vale a pena para os contribuintes que estão precisando com urgência dessa quantia. Para quem está endividado e pagando taxas mais altas de juros do que as oferecidas pelos bancos, a antecipação da restituição para quitar dívidas é um bom negócio, mas, fora isso, não é muito vantajoso, sendo que os juros pagos pelo governo são bastante interessantes.
 
Se a pessoa quiser ainda assim tomar o empréstimo, recomendo que pesquise nos bancos, uma vez que, como a disputa por clientes é grande, as taxas cobradas variam bastante. Faça a primeira busca na internet e só depois converse com o gerente do banco para negociar.
 
Para evitar problemas maiores, o melhor mesmo é entregar a declaração do imposto de renda logo no começo, aumentando a possibilidade de receber sua restituição logo nos primeiros lotes. Mas, se ainda assim não conseguir obter, o jeito é esperar, visto que ela estará sendo corrigida pela taxa Selic.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.