Isso é o que você talvez tenha perdido sobre a economia em 2021

2021 foi um ano com mudanças importantes e que irão impactar bastante os próximos anos na economia, política ou tecnologia. Antes que o ano acabe, convém relembrar o que rolou para se preparar pra 2022
Por  Felippe Hermes -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Em maio deste ano, a marca italiana Gucci decidiu lançar uma versão digital da sua bolsa Dyonisius no jogo Roblox.

Sem qualquer efeito no jogo além de ‘ostentar’, a bolsa se tornou um item raro por conta do prazo limitado de vendas e unidades também limitadas.

Em uma revenda, o item digital acabou sendo vendido por US$ 4,1 mil dólares. O problema? A unidade física da mesma bolsa custa US$ 3,4 mil.

O ano de 2021 foi, sem sombra de dúvidas, um ano atípico. Enquanto diversas partes do mundo ainda enfrentam os efeitos da Pandemia, como uma inflação fora de controle, outras veem o excesso de liquidez (dinheiro), gerado pelos bancos centrais, causar distorções surrealistas.

Em alguns estados americanos, por exemplo, a grana extra tem levado trabalhadores a desistir de trabalhos menos qualificados. Cerca de 4 milhões de americanos têm simplesmente abandonado o trabalho todos os meses.

Como consequência, adolescentes de 14 e 15 anos têm sido chamados por redes de Fast Food para trabalhar por US$ 14 a hora (cerca de R$ 50 considerando a paridade do poder de compra).

Os mais velhos, na faixa dos 19 ou 20 anos, já estão assumindo postos de gerência em redes como McDonald’s ou KFC e ganhando salários em torno de US$ 50 mil dólares anuais.

Na bolsa, empresas como a Rivian Automotive, uma fabricante de pickups elétricas, fez o seu IPO valendo US$ 90 bilhões.

Um pequeno detalhe chama a atenção: a empresa jamais vendeu um único veículo.

Com apoio da Amazon, que comprou 25% da empresa em 2017, a Rivian tem sido a aposta de inúmeros investidores para fazer frente a Tesla, a empresa de Elon Musk.

A própria Tesla colabora para a ideia de que as coisas estão um pouco “malucas”. A empresa, responsável por menos de 1% do mercado automotivo global, possui um valor de mercado de US$ 1 trilhão, mais do que Toyota, Ford, Volkswagen, GM, Renault, Hyundai somadas.

No Brasil, a situação tem se tornado tão peculiar quanto lá fora, mas nos nossos próprios termos.

As finanças públicas estão se recuperando em uma velocidade impressionante. No acumulado até outubro o setor público consolidado teve um resultado negativo de R$ 20,4 Bilhões (0,24% do PIB), contra um déficit de R$ 33 bilhões (0,56% do PIB), em 2019.

Sim, o governo, em especial os estados, já se recuperaram da crise e agora apresentam um resultado “folgado” em contas.

Estados e municípios tiveram receitas de 23,3% do PIB, contra despesas de 21,2%.

A diferença equivale a cerca de R$ 160 bilhões a mais em receita do que despesas.

Na outra ponta, a renda do trabalhador caiu até 4% em junho deste ano, comparado ao mesmo período anterior.

A inflação perdeu o rumo, chegando a 10,74% em 12 meses. Número que superou 2015, se firmando como a maior desde 1994, com a criação do Plano Real.

É da inflação, como escrevi por aqui já em junho deste ano, que decorre boa parte da bonança do governo e seu ajuste fiscal. Combustíveis, responsáveis por cerca de 10% da arrecadação dos estados, chegaram a subir 74% no ano, com um pequeno alívio nos últimos 2 meses.

O país, de fato, voltou a gerar empregos. Não sabemos exatamente quantos, pois o governo alterou o cálculo, tornando comparações com períodos anteriores inviáveis. Acredita-se que até novembro deste ano tenham sido 2,9 milhões de novos empregos.

Por falar em empregos, graças a essa mudança de cálculo descobrimos que em 2020 o país perdeu 193 mil empregos, ao invés de ter gerado 142 mil como se acreditava antes da revisão.

Como disse o ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, “no Brasil, até o passado é incerto”.

Mas falando de futuro, 2021 teve sinais conflitantes sobre o futuro.

Nas prévias de crescimento do PIB feitas pelo Banco Central, descobrimos que o país já está em recessão técnica, ou seja, o PIB teve queda em 2 trimestres seguidos. Entre abril e junho deste ano, o PIB caiu 0,4% e, entre julho e setembro, caiu 0,1%.

Alguns bancos já projetam uma queda no PIB em 2022, ainda que modesta.

Uma das razões apontadas é a alta de juros. A Selic, a taxa básica da economia brasileira, iniciou o ano em 2%, e terminou em 9,25%.

A alta nada modesta colabora para aumentar o custo das empresas, uma das razões (além da já enfadonha instabilidade política), para a queda na bolsa.

Até este momento, a bolsa segue em queda de cerca de 11%. Na prática, se você comprou um Fiat Marea, bateu o CDI e a bolsa.

Carros usados explodiram de preço neste ano, com o Marea usado subindo 18% no ano.

Convém lembrar que a tabela FIPE, que mede o preço de automóveis, é usada como base de cálculo do IPVA, o que na prática significa dizer que graças a crise de chips e semicondutores, você vai pagar mais imposto em 2022.

Há motivos para comemorar, porém.

Em 2021, tivemos dois avanços cruciais na economia em termos de marcos regulatórios.

Em setembro, o governo enviou a MP do Marco das Ferrovias, aumentando a segurança jurídica do setor e permitindo que o setor privado possa construir ferrovias sem depender de licitações públicas.

Pode parecer um detalhe, mas entre setembro e novembro o setor privado anunciou investimentos de R$ 100,92 bilhões em 24 novos projetos de ferrovias. O valor é mais de 70% do realizado entre 1997 e 2017, os primeiros 20 anos de privatização das rodovias federais. Tudo em 2 meses.

Na mesma linha, a BR do Mar, que facilita o transporte de cabotagem e navegação fluvial, deve ter impacto significativo no custo de produtos comercializados no país.

Ao se tornar menos dependente de combustíveis, o país deve ter um ganho de produtividade refletido na renda e nos processos. A estimativa é de que o projeto gere uma redução de 4% no preço da cesta básica.

É possível olhar para este ano e ver o copo meio cheio ou meio vazio, a depender da sua própria maneira de enxergar. Mas é fato que, ainda com todos os problemas, há pontos positivos em 2021 cujos resultados marcarão os próximos anos.

Se você gostou do artigo ou tem alguma crítica a fazer, pode me encontrar pelo Twitter  e pelo Instagram 

Felippe Hermes Felippe Hermes é jornalista e co-fundador do Spotniks.com

Compartilhe

Mais de Felippe Hermes

Felippe Hermes

Tempestade econômica

A economia americana está em recessão "técnica", enquanto a chinesa desacelera para o menor crescimento em três décadas. O crescimento brasileiro é sustentável?
Felippe Hermes

Estados Unidos da América Latina

Em meio a uma provável recessão, Joe Biden usa o Twitter para culpar as empresas pela alta de preços, enquanto define novos planos econômicos para injetar trilhões na economia dos EUA
Felippe Hermes

O país do puxadinho

O Brasil conta hoje com três regras fiscais – e dezenas de maneiras de burlar todas elas. Agora, o país ganhou mais uma, graças ao Congresso e à PEC Kamikaze
Moedas, reais, dinheiro, real
Felippe Hermes

A volta do assistencialismo

Em meio a alta de preços global, o governo brasileiro parece atordoado, voltando a pensar em como tapar os buracos no curto prazo, nem que pra isso aumente a incerteza no longo prazo
Clientes de banco em uma fila para falar com gerente.
Felippe Hermes

A letargia dos governadores

Os governos estaduais nunca estiveram em uma posição tão confortável, com caixa em alta e condições de trabalhar uma reforma tributária realista. Ainda assim, seguem dormindo no ponto