Private equity impulsiona expansão das franquias

Marcas como Ri Happy, Farmais, CNA, Burguer King, Chilli Beans e muitas outras receberam aportes financeiros que as ajudaram a impulsionar a expansão de suas redes.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Temos acompanhado nos últimos anos no Brasil o crescimento do número de investimentos de fundos de private equity em operações de franquias. Marcas como Ri Happy, Farmais, CNA, Burguer King, Chilli Beans e muitas outras receberam aportes financeiros que as ajudaram a impulsionar a expansão de suas redes.

Esse movimento tem se tornado mais frequente no franchising porque o risco para os fundos acaba sendo menor nesse mercado, já que trata-se de um modelo testado, aprovado e que é multiplicado com o mesmo padrão de qualidade, seguindo legislação e processos próprios. Em redes consolidadas, os fundos encontram uma estrutura de negócio mais organizada e isso os ajuda a analisar o investimento com mais cuidado e também a acompanhar sua evolução ao longo do tempo. 

 

Do ponto de vista do franqueador, um dos principais benefícios de aderir ao fundo é a disponibilidade de capital para investimentos dentro da própria rede, nos seus processos de gestão e expansão, o que poderá se transformar em um melhor desempenho no varejo. 

Mas para que uma empresa se associe a um fundo de private equity é importante que ela avalie sua própria infraestrutura, entenda se seus demonstrativos financeiros são adequados e padronizados, perceba se consegue gerar bons relatórios das operações e esteja certa de que seus planos de expansão condizem com a expectativa do fundo. Outro ponto importante é ter certeza de que os valores da empresa são semelhantes aos do fundo de private equity. Todas essas condições minimizarão os riscos na gestão do negócio – e até mesmo de uma possível quebra da parceria –, caso os interesses das partes não sejam cumpridos.  

Acredito que em um futuro próximo haverá maior participação de grupos financeiros e de fundos de private equity atuando nas redes de franquias brasileiras, haja vista o bom desempenho econômico das marcas e o potencial de novos mercados  – o que contribuirá, entre outras razões, para que o franchising continue crescendo.

Lyana Bittencourt