Sorte a nossa: Bolsonaro ouve Guedes e age com responsabilidade fiscal

Paulo Guedes telefonou para Bolsonaro aconselhando o presidente a manter a PEC do teto dos gastos. Sorte nossa que Bolsonaro ouviu Guedes, colocando o equilíbrio das contas públicas brasileiras acima da tentação de poder aumentar os gastos, ainda mais com uma reeleição pela frente. De uma coisa Bolsonaro não pode ser acusado: de ser um populista fiscal.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
(Isac Nóbrega/PR)

A Constituição Federal brasileira de 1988 é um atraso para o orçamento brasileiro. Nossa Carta Magna impõe que aproximadamente 91% dos gastos federais sejam obrigatórios, isto é, o governo não pode cortar. Nos 9% restantes, chamados de gastos discricionários, o governo tem autonomia para manejar.

Mesmo que represente uma fração bem menor da despesa federal, a economia com o gasto discricionário é fundamental para equilibrar as contas públicas. Dentro das nossas possibilidades, o governo Temer aprovou uma Emenda Constitucional que colocava um teto para os gastos públicos – as despesas da União não poderiam aumentar mais que a inflação.

A medida foi bem recebida por economistas e pelo mercado, ao apontar um avanço institucional em direção à melhora das contas públicas.

PUBLICIDADE

No entanto, como frisou meu vizinho de blog, o brilhante economista Alexandre Schwartsman, (aqui) “há uma inconsistência entre o teto de gastos por um lado e a dinâmica do gasto obrigatório por outro”. De um lado, a Constituição Federal pressiona os gastos e, por outro, coloca limite para eles.

Diante dessa inconsistência, alas do governo e o ministro da Casa Civil aconselharam Bolsonaro a alterar a regra do teto dos gastos, a fim de evitar o comprometimento de investimentos e obras do governo.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

A ideia de flexibilizar o teto dos gastos é também defendida por alguns importantes economistas, a fim de evitar o seu completo abandono. De outro modo: flexibiliza a lei do teto dos gastos antes que ela se torne inviável.

Embora a ideia tenha fundamento, há efeitos dinâmicos a serem considerados. Como o mercado financeiro reagiria com uma alteração na PEC dos gastos? Será que a flexibilização não sinalizaria um afrouxamento fiscal? Os investidores iriam investir se entendessem que flexibilização apontaria num afrouxamento fiscal? Para onde iria o dólar?

Essas perguntas mostram os efeitos dinâmicos a serem considerados, além da própria questão orçamentária. Infelizmente, não temos como prever as expectativas com exatidão, mas elas devem sempre ser consideradas numa decisão.

PUBLICIDADE

Além dos efeitos de segunda ordem a serem considerados, a flexibilização do teto dos gastos é só mais um efeito paliativo que não irá encarar a tragédia fiscal brasileira de frente. Como bem observou Alexandre Schwartsman (aqui), “se alterarmos a regra do teto de gastos apenas, adicionaremos mais uma tentativa à extensa lista de leis que fracassaram [Lei de Responsabilidade Fiscal, renegociação dívidas estaduais e municipais] em conter a voracidade fiscal do estado brasileiro”.

Está na hora de encaramos o problema fiscal brasileiro de frente, sem remendos, com todo  ônus que isso poderá acarretar. No entanto, o ônus que pagaremos a curto prazo mais do que compensará os benefícios de longo prazo que a saúde das contas publicas gerará para os investimentos, a renda e o emprego. 

Sorte nossa que Paulo Guedes telefonou para Bolsonaro aconselhando o presidente a manter a PEC do teto dos gastos. Sorte nossa que Bolsonaro ouviu Guedes, colocando o equilíbrio das contas públicas brasileiras acima da tentação de poder aumentar os gastos, ainda mais com uma reeleição pela frente. De uma coisa Bolsonaro não pode ser acusado: de ser um populista fiscal.

Siga Alan Ghani (@AlanGhani) no Twitter, Facebook e  e Instagram e Linkedin

Alan Ghani é economista, PhD em Finanças e professor de pós graduação

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Leia também