Não tome decisões de investimento baseado apenas na volatilidade com o coronavírus

Diante da queda do mercado, a pergunta ser feita é: o quanto da redução é ancorada em fundamentos reais e o quanto está ligada aos vieses comportamentais psicológicos?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Os últimos dias não têm sido fáceis para investidores, principalmente para os iniciantes. Afinal, não é fácil ver suas economias derreterem quase 10% em apenas dois dias. Como diria um famoso locutor esportivo: “é teste para cardíaco”.

Já gestores mais experientes, acostumados com turbulências, conseguem passar pelo momento com mais tranquilidade, apesar das incertezas. Não raro, alguns enxergam o momento como uma oportunidade de ir às compras com a queda de valor nos ativos.

Diante dessa queda, a pergunta ser feita é: o quanto da redução é ancorada em fundamentos reais e o quanto está ligada aos vieses comportamentais psicológicos?

PUBLICIDADE

Em parte, a queda da bolsa brasileira é explicada pelo aumento da incerteza quanto a uma recessão global. Como a economia de vários países é dependente do gigante asiático, uma desaceleração econômica na China pode afetar negativamente o PIB brasileiro.

Com mais pessoas ficando doentes por lá, há um efeito em cascata em toda a cadeia de suprimentos chinesa, que poderá levar a uma menor produção de bens e serviços, reduzindo a taxa de crescimento do país.

Além do efeito sobre a produção, a doença poderá também reduzir o consumo, variável importante na formação do PIB.

Para piorar, esses temores não se resumem apenas à China, mas há vários países. Com a chegada do vírus à Itália, aumenta-se ainda mais as incertezas em relação às economias europeias, potencializando o risco de uma epidemia global.

De certo modo, antes mesmo do coronavírus, o mercado já contava com um risco de uma desaceleração global. A pergunta não era se iria ocorrer uma recessão mundial, mas quando ela iria acontecer. O que o coronavírus fez foi acelerar esse temor. Hoje, a questão é: o coronavírus foi o gatilho para o início desse processo recessivo ou apenas um alarme falso?

Independentemente da resposta acima, temos que ter em mente que ciclos recessivos não duram para sempre, e os países são atingidos em maior ou menor grau pelos efeitos globais. Nesse sentido, vale mais a pena analisar os fundamentos da economia brasileira para a geração de crescimento sustentável para os próximos anos do que a volatilidade de curto prazo trazida pelo coronavírus.

PUBLICIDADE

Entre esses fundamentos, merecem destaque os juros estruturalmente baixos, reformas fiscais e a melhora no ambiente de negócios. Por outro lado, devemos ficar atentos quanto à aprovação de outras reformas, como a tributária e a administrativa.

Certamente o entendimento e o prognóstico dessas questões pesam muito mais para economia brasileira e para a bolsa no longo prazo do que o coronavírus. Diante disso, o ministério da Economia e da Saúde “advertem”: tomar suas decisões de investimento baseadas apenas na volatilidade de curto prazo pode causar perda de dinheiro e problemas no coração – piores do que os sintomas do coronavírus.

Siga Alan Ghani (@AlanGhani) no Twitter, Facebook, Instagram e Linkedin

Alan Ghani é economista, PhD em Finanças e professor de pós-graduação.

Invista melhor seu dinheiro. Abra uma conta na XP Investimentos clicando aqui

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Leia também