Um planejamento financeiro para a vida

O cuidado com a sucessão, divisão de bens e a liquidez de caixa para superar o período mais complexo são fundamentais para se mitigar conflitos nas relações familiares ou mesmo proteger os negócios da incapacidade técnica dos herdeiros

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Herança Sucessão Planejamento Financeiro
Getty Images

Recentemente, um levantamento da Planejar (Associação Brasileira de Planejamento Financeiro) indicou que, desde o início da pandemia da Covid-19, mais brasileiros passaram a pesquisar maneiras de se organizarem financeiramente.

A pandemia gerou impactos sem precedentes na sociedade, com milhões de mortes em todo o mundo. No Brasil, superamos a marca de mais de 600 mil vítimas, com milhares de pessoas perdendo entes queridos por causa do vírus.

Diante desse contexto, fomos obrigados a refletir sobre a finitude das nossas vidas, as consequências na continuidade de negócios e/ou os impactos para as relações familiares.

Como consequência direta, o número de testamentos registrados em cartórios de notas aumentou 41,7% no país no primeiro semestre de 2021, comparado com igual período do ano passado. Nessa estatística, é possível vislumbrar a entrada de pessoas cada vez mais jovens e que anteriormente não se preocupariam com esse tipo de questão.

Sem dúvida as pessoas terão muitos dos seus comportamentos alterados no pós- pandemia. O planejamento patrimonial e sucessório possivelmente passará a ter a devida importância.

O cuidado com a sucessão, divisão de bens e a liquidez de caixa para superar o período mais complexo são fundamentais para se mitigar conflitos nas relações familiares ou mesmo proteger os negócios da incapacidade técnica dos herdeiros.

Ao se planejar previamente para um cenário inesperado, além de garantir a proteção do patrimônio familiar e de manter a continuidade dos negócios, é possível obter benefícios tributários capazes de garantir uma redução dos custos na sucessão do patrimônio.

O aprendizado que vivenciamos atualmente não deve ser esquecido com o fim da pandemia. Sabemos que o ser humano tem dificuldade em tratar a morte como algo natural e que deverá ser enfrentado. E não se pode deixar que esse tema seja tratado somente quando estivermos mais velhos, pois isso poderá nem acontecer.

O planejamento patrimonial deve ser tratado da mesma maneira como lidamos como o seguro de vida ou previdência: desde cedo devemos pensar nas consequências para a família e os negócios na eventual falta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse planejamento não é estático ou definitivo. Ou seja, ele precisa ser revisitado com periodicidade para as adequações ao momento de vida e os objetivos de cada um.

Essa é uma tarefa que nem sempre conseguimos realizar sozinhos; na maioria das vezes, precisamos de uma ajuda extra.

Um planejador financeiro pode ajudar muito na organização financeira. Com o seu know-how, ele pode ampliar sua visão de mercado.

Mas você sabe exatamente como um planejador financeiro trabalha? Esse profissional atua como consultor, dando conselhos em áreas como:

– Administração de investimentos;
– Gerenciamento de riscos;
– Previdência complementar;
– Seguros;
– Planejamento financeiro e fiscal;
– Planejamento sucessório.

Sua principal função é apresentar e colocar em prática um plano de acordo com o perfil de cada cliente. Assim, ele oferecerá auxílio em questões como controle financeiro, controle de investimentos e gestão de patrimônio.

O planejador financeiro funciona como uma bússola, orientando o cliente em direção a seus objetivos. Com a consultoria desse profissional, ficará mais fácil de compreender as implicações de cada uma de suas decisões financeiras.

A grande conclusão a que chegamos é que planejar as finanças de maneira cautelosa é tão importante quanto cuidar da própria saúde.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Giovana De Biase

Formada em Economia pelo IBMEC-Rio, iniciou a carreira no mercado financeiro no BTG Pactual. Na XP Investimentos, iniciou sua atuação em 2016 na mesa de Arbitragens off-shore. Em 2019, foi pioneira na Criação da Área de Wealth Services da XP, sendo responsável pela estratégia e coordenação do desenvolvimento de ferramentas para atendimento aos Gestores de Fortunas e Consultores de Valores Mobiliários. Em 2020, se tornou head de Growth & Strategy do Canal Wealth Services

Leia também