Bitcoin deve ter movimento parabólico após romper resistência dos US$ 67 mil

Historicamente, novembro é um mês positivo para o Bitcoin e o mercado de criptomoedas, principalmente em anos de tendência de alta
Por  Rodrigo Miranda
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O Bitcoin (BTC) começou a semana em alta, depois de dias de progresso lento, a criptomoeda finalmente deu um salto para cima dos US$ 65.000.

Junto com a alta semanal e o rompimento da sua máxima histórica, veio outro marco para o mercado de criptomoedas – a capitalização de mercado combinada de todos os tokens ultrapassou US$ 3 trilhões pela primeira vez.

Historicamente, novembro é um mês positivo para o Bitcoin e o mercado de criptomoedas, principalmente em anos de tendência de alta.

Os meses de novembro costumam impulsionar a tendência que o ativo teve durante o ano. Os anos em que novembro foi um mês de queda para o Bitcoin foram em 2018 e 2019, períodos em que o ativo seguia uma tendência de queda durante o ano também.

De acordo com Rodrigo Miranda, da Universidade do Bitcoin, se projetarmos uma expansão de Fibonacci com fundo em US$ 3.700, topo em US$ 65.000 e correção em US$ 30.000, chegamos aos próximos alvos do Bitcoin na região dos US$ 77.000 e US$ 90.000.

Algumas altcoins também ensaiam movimentos semelhantes com boas perspectivas de alta no rompimento de suas máximas históricas, como Ethereum (ETH) e Binance Coin (BNB).

Ethereum com alvos projetados em US$ 5.000, US$ 6.000 e US$ 8.500

 

Binance Coin com alvos projetados em US$ 750 no curto prazo e US$ 900 e US$ 1.300 no médio prazo

Semelhança com a bull run de 2013

Uma outra informação importante observada por Rodrigo é que esta bull run está muito parecida com a de 2013. Ou seja, o mercado ainda tem potencial de subir mais. Vale ressaltar que o mercado de criptomoedas é volátil e de grande risco, por isso ele recomenda aos investidores iniciantes calma e elegância na hora de colocar seu dinheiro em determinados projetos.

Atualmente existem mais de 13.800 moedas no mercado de criptomoedas e os mais experientes recomendam aos iniciantes para começarem pelo Bitcoin e Ethereum, as duas maiores e mais sólidas moedas do mercado cripto.

Abaixo temos um exemplo e comparativo com a bull run de 2013 e esta bull run de 2020/2021.

Rodrigo Miranda Administrador de empresas, empresário, Coach Neuro-Financeiro e investidor há mais de 15 anos. Especialista em MindSet para investimentos e CEO do INSFE - Instituto Financeiro, criador do método PNF - Programação Neurofinanceira e responsável pela Universidade do Bitcoin. Apresentador especialista em criptomoedas da Rádio Rock 89, uma das maiores rádios do país, no programa semanal CriptoNine.

Compartilhe

Mais de Opinião - Especialistas convidados

Opinião - Especialistas convidados

O novo arcabouço regulatório das ofertas públicas e o redesenho do mercado de capitais brasileiro

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) editou, em 13/07, a Resolução CVM 160, que institui o novo arcabouço regulatório para as ofertas públicas de distribuição de valores mobiliários no Brasil, englobando tanto as ofertas de ações, como de dívida, securitização e fundos de investimento. A  resolução é parte da Agenda Regulatória da CVM prevista para […]
DeFi
Opinião - Especialistas convidados

Os impactos em DeFi do recente crash das criptomoedas

*Por Christian GazzettaDesde o início de maio, o mercado tem vivido semanas eletrizantes.Na esteira da transição de política monetária nos EUA, com seus efeitos negativos sobre as classes de ativos com maior risco, uma série de projetos do mundo cripto começou a mostrar suas fragilidades.Colapso da USTUm ponto de inflexão foi a quebra do ecossistema […]