O soccer pede passagem: como a MLS pensa seu futuro

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
Brenner São Paulo MLS
Reprodução/Twitter

Em fevereiro, houve um grande choque no futebol brasileiro com a notícia de que o São Paulo havia negociado os direitos do jovem atacante Brenner com o Cincinnati FC por algo em torno de US$ 15 milhões.

Afinal, como uma jovem promessa, que vinha se destacando no Campeonato Brasileiro, era negociada com um clube da Major League Soccer (MLS), a liga americana de futebol?

Já foi menos surpreendente a negociação nesta semana do atacante Soteldo, do Santos para o Toronto FC, outro clube da MLS.

Para quem ainda acha que a MLS é apenas um frugal local de aposentadoria para jogadores de futebol em final de carreira, é bom rever seus conceitos.

Ano após ano, a liga americana se mostra cada vez mais atenta ao que ocorre no mundo do futebol internacional e mais pronta a assumir um protagonismo regional importante.

Nos últimos dias, o Centro de Estudos do Esporte (CIES), com sede na Suíça, fez um profundo levantamento sobre a evolução histórica da MLS. A história nos mostrará como chegaram até aqui, mas as mudanças recentes nos indicam para onde irão.

Do incentivo à contratação de jovens, para revende-los aos europeus no futuro, passando pela possível fusão com a Liga MX, do México, tudo indica um caminho de crescimento para o soccer.

Começamos pelo número de clubes na liga:

PUBLICIDADE

Fonte: CIES

Além do forte crescimento numérico a partir de 2005, os valores envolvidos nas negociações de clubes também cresceram.

Para participar da MLS é necessário fazer um pagamento como se fosse uma “inscrição”. O valor pago mais recentemente foi de US$ 325 milhões, feito pela equipe de Charlotte, que iniciará a competição em 2022.

Esse valor é mais do que o triplo pago pelo Real Salt Lake em 2007. Nos últimos 15 anos, a liga recebeu US$ 1,15 bilhão em “taxas de inscrição”, uma média de US$ 187 milhões por clube. Para ter uma ideia do crescimento, entre 2004 e 2010, o valor médio dessa taxa foi de US$ 33 milhões por clube.

Uma boa explicação para esse aumento pode estar na presença de público nos estádios. Segundo o estudo do CIES, a evolução de presença média de público na MLS é a seguinte:

O público médio em 2019 foi 41% maior que a média de 2005. E tem se mantido estável, na casa de 21 mil nos últimos cinco anos. E é aqui que os clubes da MLS fazem dinheiro, com o chamado Matchday.

Segundo levantamento da Forbes, o ticket médio na MLS é da ordem de US$ 48, de forma que a receita total estimada com Matchday é da ordem de US$ 650 milhões anualmente. Se incluirmos a publicidade, podemos estimar em cerca de US$ 1 bilhão, ou perto disso, a receita total da liga.

PUBLICIDADE

Enquanto as principais ligas de futebol pelo mundo, e mesmo as demais ligas americanas de esporte, obtém grande parte de suas receitas a partir da venda de direitos de transmissão das partidas, na MLS o valor de direitos para os EUA é da ordem de US$ 90 milhões anuais. Bem menos do que paga, por exemplo, a NBC pelos direitos da Premier League, que vale US$ 166 milhões.

Esse contrato vai até 2022, quando os clubes e a liga esperam poder elevar à enésima potência o valor do negócio. E virá daí o salto de receitas e valor dos clubes no futuro.

Parêntese

No ano passado, a competição foi encurtada, jogada no conceito de bolha, vencida prelo Columbus Crew*. Foram canceladas a US Open Cup e o MLS All Star.

Don Garber, o comissário da MLS, informou que a liga perdeu cerca de US$ 1 bilhão de receitas na temporada passada por conta da mudança de formato, o que indica que este é realmente um valor próximo do que os clubes efetivamente fazem de receita.

Fecha parêntese

Fazer futebol nesse cenário não é fácil. Quer dizer, isso demanda uma série de regras e controles, típicos das ligas americanas. Há estruturas que limitam gastos salariais, que podem ser estourados apenas com poucos atletas por equipes – os chamados “Designated Players” – e mesmo com contratações, que são bastante controladas.

Mas uma forma de repensar o modelo de negócio foi o aumento no investimento em formação de atletas, que inclui facilitações para contratações de atletas jovens vindos do exterior, como foi o caso de Brenner.

PUBLICIDADE

De forma resumida, os clubes podem ter até três atletas abaixo de 22 anos e considerados como uma espécie de “Designated Player”, ou seja, um atleta acima de média e que pode render lucro numa negociação futura.

O reflexo disso é que, segundo o estudo do CIES, 63% dos atletas da MLS ganham menos de US$ 300 mil anuais, e apenas 8% (58 atletas) ganham acima de US$ 1 milhão anuais.

Quando falamos no incentivo à contratação de jovens, isso realmente muda o modelo de negócios.
Porque, até recentemente, a MLS era vista “apenas” como a liga dos atletas pré-aposentadoria, com a presença de Kaká, Henry, Lampard, Pirlo, Beckham, Ibrahimovic, e agora com Chicharito, Higuaín e Matuidi.

Sim, esses atletas são importantes e chegam com condições de praticar um bom futebol, vide o retorno de Ibrahimovic à Serie A italiana com grande desempenho. Mas, ao reforçar a formação e incentivar a contratação de jovens e promissores atletas, a liga se torna mais um país que retira atletas de competições financeiramente mais frágeis, como de Brasil e Argentina, e faz com que a Europa passe a analisar a MLS com atenção.

Basta analisar casos como dos jogadores americanos Weston McKennie e Christian Pulisic, que não deixaram resultados esportivos ou financeiros nos EUA, atuam hoje por Juventus e Chelsea.

Como referência, atualmente cerca de 46% dos atletas da MLS são estrangeiros, sendo que a idade média dos que vem da América do Sul é de 23,4 anos, da Europa é de 26,7 anos e da África é de 22,7 anos.

Veja que a competição busca os jovens onde eles realmente são formados e as estrelas onde o futebol já é desenvolvido.

As limitações de receitas, que vêm com o baixo valor dos direitos de TV e a pouca relevância à formação e negociação de atletas, faz com que a grande maioria dos clubes tenha prejuízos na operação, que são bancados pelos acionistas.

A verdade é que o interesse na presença na MLS se dá porque é um negócio com potencial, seja através dos novos contratos de TV ou do novo modelo de negócios.

Mas também pela potencial fusão da MLS com a Liga MX, criando uma competição que abarcaria clubes americanos, canadenses e mexicanos. Não se esqueça que a Copa do Mundo de 2026 será justamente nesses três países.

Os dirigentes dessas ligas ainda estariam numa fase de conversas, mas há algumas semanas o presidente da FIFA, Gianni Infantino se mostrou favorável à fusão.

O que é um contrassenso, considerando que a MLS não possui o instrumento do rebaixamento e outras divisões, e que a Liga MX adotou temporariamente o mesmo modelo. Talvez resida aí, especialmente após a Superliga, uma das questões a serem negociadas para o futuro.

Aliás, fusões de ligas estão na moda e podem ocorrer em mais lugares, como o caso entre Holanda e Bélgica. Tornar as ligas mais fortes é um caminho que passa pela fusão, mas também pela redução de equipes disputando as competições. Menos é mais.

Enfim, é bom estarmos preparados para ver a MLS crescendo e se tornando cada vez mais relevante no cenário mundial do futebol. Se a realidade ainda é de expansão, é bem possível que haja uma aceleração em breve. Daí não dará para dizer que “fomos surpreendidos novamente”. Fica chato.

*Agradeço ao leitor Bruno Assumpção pela correção.

Newsletter InfoMoney Receba as notícias mais relevantes do mercado no seu email.
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Ranking Melhores Fundos InfoMoney-Ibmec

Cesar Grafietti

Economista, especialista em Banking e Gestão & Finanças do Esporte. 27 anos de mercado financeiro analisando o dia-a-dia da economia real