Ter conta conjunta faz sentido? 3 passos para acabar com as brigas

Se a ideia for controlar todos os gastos do seu parceiro (ou da sua parceira), é melhor buscar uma terapia de casal
Por  Carol Sandler -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

“Eu não suporto a ideia de o meu marido ficar vendo o valor que eu gasto com a manicure por mês”. O desabafo veio de uma amiga como o argumento supremo contra o uso de conta conjunta.

Mas a verdade é que este não é o objetivo deste tipo de conta. Se a ideia for controlar todos os gastos do seu parceiro (ou da sua parceira), é melhor buscar uma terapia de casal.

A conta conjunta foi criada como uma ferramenta para o casal conseguir dividir as despesas da casa e da família – e não como um substituto para a conta individual.

Desde que comecei a trabalhar com educação financeira para mulheres, um dos assuntos que mais rendem perguntas e comentários é justamente o uso da conta conjunta e a melhor forma de dividir os gastos do casal.

Em primeiro lugar, trago a minha experiência. Sou casada há oito anos e dividimos as contas da casa de forma proporcional com o ganho de cada um. Nunca sentimos a necessidade de ter uma conta conjunta para operacionalizar os gastos do dia-a-dia.

No entanto, cada casal tem as suas particularidades, preferências e circunstâncias.

Conheço mulheres que têm contas conjuntas com seus maridos e fazem o acordo funcionar perfeitamente bem. A meu ver, existem três passos para garantir o sucesso da operação:

1. Definir os gastos que sairão da conta conjunta

Aluguel? Plano de saúde? Roupas das crianças? O que a conta conjunta deve bancar? Não existe uma regra universal, mas, na minha visão, o ideal é que esta conta cubra as despesas essenciais do casal (ou da família): moradia, alimentação, transporte, saúde.

Já os gastos individuais (como roupas, presentes, alimentação fora de casa) podem ser bancados individualmente.

2. Estabelecer a contribuição de cada um

Na sequência, o casal deve concordar com um porcentual de seu salário com o qual cada um pode contribuir para arcar com os gastos conjuntos. A melhor forma de garantir a justiça (especialmente quando existe uma desproporção entre os salários) é pensar em termos proporcionais.

Eu gosto muito da fórmula do 50/30/20 para equilibrar os gastos: 50% da renda deve bancar os essenciais, 30% os supérfluos e 20% vai para a criação de uma reserva.

Partindo deste princípio, uma sugestão é que cada um contribua com 30 a 40% dos seus ganhos mensais para esta conta, o que ajudaria a bancar as despesas essenciais da família.

3. Manter as contas individuais

Nenhum dos dois pode abrir mão da sua conta corrente individual – é dela que sairão os pagamentos das despesas particulares.

A conta individual é também o fruto do relacionamento de cada um com o seu banco. Ela traz o seu histórico de cliente (junto com as suas taxas de juros) – e isso não deve ser deletado. O relacionamento pode ou não dar certo, mas isso não pode zerar a sua história com o banco.

Eu aprendi com meus pais que o combinado não custa caro. Se o casal implementar estas minhas dicas, as chances de evitar muitas discussões são grandes.

Uma série de estudos mostra que o motivo principal para divórcios é dinheiro. Casais brigam quando têm dinheiro e quando não têm. Quando gastam pouco e quando gastam demais.

Brigam por dívidas, investimentos, cartão de crédito e mensalidade escolar. A receita para fugir destas armadilhas pode não ser a conta conjunta – mas estabelecer as regras ajuda (e muito) a manter paz conjugal.

Receba em primeira mão e com exclusividade as colunas de Carol Sandler em seu email
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Carol Sandler É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.

Compartilhe

Mais de Carol Sandler

Carol Sandler

O teste da terça-feira: como saber se uma compra vale a pena

Uma casa no interior com uma bela piscina. Eu não sei você, mas este é um dos meus grandes sonhos. Não tanto pela piscina em si, mas pela ideia de ter uma sombra refrescante, um lugar para ler em paz enquanto curto ver a minha família crescer. Quando comecei a ler “Happy Money: The Science […]
Carol Sandler

Por que as mulheres não chegam a cargos de liderança?

Esqueça aquela história do “teto de vidro”, que falava da dificuldade para as mulheres de conseguir cargos altos de liderança, como CEO. O que o levantamento revelou foi que a principal barreira, na realidade, é o crescimento para cargos de gerência, logo no início da carreira
Carol Sandler

Deixar o cartão em casa revolucionou a vida financeira dela

Tem quem opte pela versão ainda mais radical deste método: colocar o cartão de crédito em um copo cheio d’água e deixa-lo no congelador. Quando bater a vontade de fazer uma compra, você precisa esperar ele descongelar. Qualquer tentativa de acelerar o processo no micro-ondas resulta em um chip quebrado. No entanto, não precisa ir […]
Carol Sandler

Clichê? De onde vem o mito da mulher gastadeira

Basta olhar as revistas femininas para constatar: falamos sobre dinheiro com homens e mulheres de formas diferentes. A questão ficou clara com um estudo recém lançado pelo Starling Bank, banco digital inglês, que mostrou que existe uma linguagem de gênero sobre finanças. Os achados são impressionantes. 65% dos artigos direcionados a mulheres categorizam elas como […]