Regime de bens pode acabar com casamento antes mesmo de ele começar

É importante se planejar para o que acontece caso o relacionamento não dê certo. Mas isso não deve acabar com o que ainda nem começou

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
(Reprodução / Instagram) MacKenzie e Jeff Bezos

Encontrar um parceiro (ou parceira) para o resto da vida não é uma missão simples. São dezenas de encontros – algumas vezes, às cegas – para conseguir achar aquela pessoa com quem você consegue se ver envelhecendo junto.

Você procura alguém com quem se divirta e que tenha valores parecidos com os seus. Amor, paixão, amizade, admiração: queremos tudo isso em uma única pessoa.

Agora imagine a frustração de encontrar aquela pessoa e pedi-la em casamento, só para ver tudo desmoronar poucos dias antes da celebração por conta do regime de casamento.

PUBLICIDADE

Sim: uma briga para definir o regime de bens acabou com o casamento.

Ouvi uma história assim recentemente e fiquei com ela martelando na minha cabeça. Afinal, esta é uma conversa delicada, mas não é para destruir o relacionamento.

A escolha do regime de bens é, no fundo, uma previsão para o que acontece no caso de o relacionamento não dar certo. Mas não é para acabar com aquilo que ainda nem começou.

O regime de bens nada mais é do que o conjunto das regras que serão aplicadas aos bens do casal no caso de um divórcio – tanto aqueles conquistados antes do casamento, quanto os adquiridos ao longo da união.

Separação total ou comunhão de bens? Comunhão parcial ou total? Vale a pena casar-se ou é melhor ficar apenas na união estável?

São tantas perguntas que resolvi explicar por aqui as diferenças dos vários meios:

PUBLICIDADE

União estável: A grande diferença entre um casamento e uma união estável é que, na união estável, não há necessidade de documento para oficializar a relação. Por isso, pode render mais discussões. Um exemplo: sempre surge a dúvida se um determinado bem foi adquirido antes ou depois da união estável. Se foi antes, a propriedade é que de quem pagou. Se for depois, ele deverá ser dividido.

Comunhão universal de bens: todos os bens adquiridos durante a união pertencem a ambos – e vale também para heranças, doações e dívidas. No caso de uma separação, não importa de quem o bem era inicialmente, ou se ele foi comprado antes ou durante a relação. Quer um exemplo recente famoso? Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon, e sua ex-esposa, MacKenzie, que ficou com o equivalente a US$ 35 bilhões no divórcio mais caro da história.

Comunhão parcial de bens: neste regime, os bens que cada um possuía antes do casamento não são divididos. No caso de separação, pertencem a ambos apenas os bens adquiridos durante o casamento. A exceção fica por conta de doações ou heranças, que permanecerão de propriedade individual.

Separação total de bens: não há comunicação entre os bens – neste caso, é obrigatório um pacto pré-nupcial. Como o próprio nome diz, a separação total de bens entende que cada uma das partes tem a propriedade sobre o seu próprio patrimônio. Assim, todos os bens adquiridos antes e depois do casamento serão de propriedade de seu titular.

Por isso, é fundamental que o casal converse para ver qual é o regime que faz mais sentido para ambos, dada a realidade financeira de cada um. Vale destacar que estas regras podem ser alteradas mediante autorização judicial.

Nas palavras de Vinicius de Moraes, que seja infinito enquanto dure.

Garanta sua independência financeira: abra uma conta gratuita de investimentos na XP

Carol Sandler

É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.