O teste da terça-feira: como saber se uma compra vale a pena

Por  Carol Sandler -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Uma casa no interior com uma bela piscina. Eu não sei você, mas este é um dos meus grandes sonhos. Não tanto pela piscina em si, mas pela ideia de ter uma sombra refrescante, um lugar para ler em paz enquanto curto ver a minha família crescer.

Quando comecei a ler “Happy Money: The Science of Happier Spending” (Dinheiro feliz: a ciência de gastar com felicidade, em uma tradução livre), esperava um livro teórico, recheado de estudos que mostram que mais dinheiro não traz mais felicidade. Só não esperava ver o meu sonho ser trazido para a realidade com cores mais sombrias.

O problema não é a casa com piscina, mas sim a forma como projetamos o futuro, dizem os autores Michael Norton e Elizabeth Dunn. A lente da nossa imaginação foca apenas no primeiro plano do objeto de desejo (manhãs preguiçosas à beira d’água com um bom livro e uma água de coco, no meu caso). Enquanto isso, todo o restante do cenário fica mais borrado – e esquecemos de pensar nos aspectos mais práticos relacionados ao sonho (a manutenção da piscina, o trânsito para chegar até o interior).

Ao ler aquilo, comecei a pensar naquele sonho de uma outra forma. Como arranjaria tempo para cuidar daquela casa? Quanto gastaria com a manutenção? Quanto tempo de trânsito nas estradas, todo fim de semana? Ao mudar a lente, passei a avaliar a compra de um jeito mais prático.

Antes de decidir realizar uma compra importante, os autores do livro sugerem um exercício simples, mas poderoso: pensar na próxima terça-feira. “Tire um tempo para refletir o que você fará na próxima terça-feira, da manhã até a noite. Como esta compra irá afetá-lo na terça-feira? Este exercício simples – pensar no uso do seu tempo em um dia específico – nos ajuda a fazer previsões menos enviesadas sobre quanto um item pode influenciar a nossa felicidade”, explicam.

Este “teste da terça-feira” pode nos ajudar a navegar decisões de compra com um pouco mais de sangue frio. Quando compramos algo, acreditamos que aquele item nos trará felicidade: um carro novo, um aparelho de ar condicionado, um celular de última geração. No entanto, conforme o tempo passa, aquilo que era uma novidade vira o nosso novo normal. Ninguém consegue tirar satisfação de algo que faz parte do seu padrão de vida. O que antes era um luxo logo vira uma necessidade.

O fenômeno é conhecido pelos psicólogos econômicos como “adaptação hedônica” – a nossa tendência de nos adaptar a qualquer acontecimento (ou nova compra), sejam eles positivos ou negativos. Quanto maior for a sua renda, maiores são as suas expectativas e mais caros os seus objetos de desejo. Por isso, um aumento não traz necessariamente mais felicidade – só encarece o seu estilo de vida.

Mas isso quer dizer que dinheiro não traz felicidade? Não exatamente. O livro traz sugestões práticas de como obter mais felicidade por cada real gasto. São elas:

1. Compre experiências

Se você não tem tempo para se adaptar a uma viagem de férias, ela segue sendo especial muito tempo depois que você voltou para casa. Isso é o que explica tantos bilionários que compram passagens para viagens espaciais (alô, Virgin Galactic).

2. Crie ocasiões especiais

Quando você toma um cappuccino diariamente, a bebida deixa de ser algo memorável e vira parte da rotina. Se você transforma aquela compra em uma ocasião especial, ela se torna mais saborosa.

3. Compre tempo

O dia de todo mundo tem apenas 24 horas – mas se você usa o seu dinheiro para fazer o seu tempo render mais (como lavanderia, diaristas e outros serviços domésticos, por exemplo), o seu nível de felicidade aumenta.

4. Pague agora, use depois

Parece não fazer muito sentido, mas quando você inverte a lógica do cartão de crédito e passa a pagar primeiro para desfrutar depois, consegue de fato desfrutar daquele item. Duvida? Então pense na lógica dos hotéis all inclusive: por já estar com a conta paga, todos os drinks e comidas parecem que são de graça. Quando você não precisa pagar por aquela experiência depois, ela se torna mais prazerosa.

5. Invista nos outros

Usar os seus recursos para promover a felicidade, conforto e bem-estar dos outros tem um impacto difícil de estimar à primeira vista. Em um estudo pessoas que ganhavam US$ 5 tiravam mais felicidade daquele dinheiro se gastavam ele com os outros do que consigo mesmas.

Não estou dizendo para pararmos de gastar com roupas, acessórios e eletrônicos – mas sim, para olharmos para estas compras com mais espírito crítico. Elas nunca trazem a felicidade que imaginamos.

Quanto à casa com piscina, sigo no campo dos sonhos por aqui. Afinal, não vai ser toda terça-feira que vou poder aproveitá-la…

Receba em primeira mão e com exclusividade as colunas de Carol Sandler em seu email
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Carol Sandler É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.

Compartilhe

Mais de Carol Sandler

Carol Sandler

Por que as mulheres não chegam a cargos de liderança?

Esqueça aquela história do “teto de vidro”, que falava da dificuldade para as mulheres de conseguir cargos altos de liderança, como CEO. O que o levantamento revelou foi que a principal barreira, na realidade, é o crescimento para cargos de gerência, logo no início da carreira
Carol Sandler

Deixar o cartão em casa revolucionou a vida financeira dela

Tem quem opte pela versão ainda mais radical deste método: colocar o cartão de crédito em um copo cheio d’água e deixa-lo no congelador. Quando bater a vontade de fazer uma compra, você precisa esperar ele descongelar. Qualquer tentativa de acelerar o processo no micro-ondas resulta em um chip quebrado.No entanto, não precisa ir tão […]
Carol Sandler

Clichê? De onde vem o mito da mulher gastadeira

Basta olhar as revistas femininas para constatar: falamos sobre dinheiro com homens e mulheres de formas diferentes.A questão ficou clara com um estudo recém lançado pelo Starling Bank, banco digital inglês, que mostrou que existe uma linguagem de gênero sobre finanças. Os achados são impressionantes.65% dos artigos direcionados a mulheres categorizam elas como “gastadoras excessivas”, […]