Ela deixou o dinheiro para o marido cuidar e acabou com uma dívida de R$ 1,5 milhão

De quem é a culpa? Dos dois. Delegar a gestão financeira é uma coisa. Largar é outra.

(Shutterstock)

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Já ouvi muitas histórias de mulheres com dívidas grandes no cartão de crédito, mas nenhuma foi tão chocante – ou sintomática – quanto aquela que eu ouvi de uma leitora.

Ela tinha um ótimo emprego (era sócia de um escritório de advocacia), ganhava bem e contava com um cartão quase ilimitado. Com todas as responsabilidades do trabalho, ela tinha pouco tempo para cuidar do seu dinheiro.

PUBLICIDADE

Nem saber a senha do banco ela sabia – era o marido que cuidava de tudo.

Um dia, quando foi pagar o estacionamento, o cartão não passou. Ela estranhou e foi ver o que estava acontecendo.

Descobriu naquele dia que tinha uma dívida de R$ 1,5 milhão. Sim. Um milhão e meio de reais. No cartão de crédito. Com juros de 300% ao ano.

“Fiquei me perguntando como consegui gastar tanto dinheiro. Quando fui ver os juros, entendi. Aprendi que uma dívida ignorada no cartão de crédito pode virar uma bola de neve”, ela me contou.

Para quitar tudo, precisou vender o apartamento. O casamento foi para o espaço – como confiar na pessoa que deixou a dívida dela chegar até aquele patamar?

Mas é fácil culpar o outro. Minha leitora aprendeu que nunca mais poderia deixar o cuidado do seu dinheiro nas mãos dos outros.

PUBLICIDADE

Por mais confiança e intimidade que você tenha com aquela pessoa, sempre pode dar algum problema.

Eu já vi histórias em que o marido roubou o dinheiro da conta da mulher. O irmão fez investimentos ruins com a grana dela. Mas essa foi a primeira vez que vi uma mulher deixar a dívida no cartão explodir por terceirizar a gestão dele.

A culpa é dos dois: como justificar a atitude deles? Delegar a gestão financeira é uma coisa. Largar é outra.

É por isso que uma das minhas bandeiras é que toda mulher deve se sentir confortável com a gestão do seu dinheiro. Dos seus gastos e das suas aplicações.

A confiança que você tem no seu parceiro nunca pode ser maior do que a sua própria autoconfiança de cuidar do que é seu.

Falta de tempo não pode ser desculpa. Falta de conhecimento, também não. Acompanhar suas contas e seus gastos deve se tornar um hábito – assim como passar fio dental.
Por isso, abra a sua fatura. Olhe de frente para a sua situação. Controle as despesas – existem tantos apps bons para isso. Se precisar, conte com a ajuda de um profissional. Para cuidar bem do seu dinheiro, basta começar.

E se você precisar de uma ajuda, manda sua história para mim – vou ter espaço nesta coluna para resolver os problemas das minhas leitoras e leitores. Meu email é carolina@financasfemininas.com.br.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Carol Sandler

É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.