Deixar o cartão em casa revolucionou a vida financeira dela

Por  Carol Sandler -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Tem quem opte pela versão ainda mais radical deste método: colocar o cartão de crédito em um copo cheio d’água e deixa-lo no congelador. Quando bater a vontade de fazer uma compra, você precisa esperar ele descongelar. Qualquer tentativa de acelerar o processo no micro-ondas resulta em um chip quebrado.

No entanto, não precisa ir tão longe. Para controlar os gastos, pode bastar deixar o cartão em casa, guardado dentro de uma gaveta. Foi o que a pedagoga Caroline Ribeiro fez. Mas antes de contar a história dela, é importante trazer alguns dados e estudos sobre o uso do cartão de crédito.

O cartão é utilizado 35,8 mil vezes por minuto, segundo estudo da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs) de 2019. De acordo com pesquisa do Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o cartão de crédito é a principal modalidade de dívida no Brasil, apontado como vilão por 79,5% das famílias endividadas.

A psicologia econômica mostra que os cartões de crédito estimulam o gasto. O motivo é simples: quanto mais virtual o meio de pagamento, menos dolorido é o ato da compra. Abrir a carteira e contar as notas de dinheiro tem um efeito muito maior do que passar o cartão em uma maquininha. Estudos revelam que os consumidores fazem compras maiores em lojas de departamento quando pagam no cartão, na comparação com compras em dinheiro – e dão maiores gorjetas também.

Não é à toa que um dos estudos clássicos sobre o tema se chama “Sempre saia de casa sem ele”, realizado no MIT. Ele demonstra que a disposição para gastar aumenta consideravelmente quando você anda com o cartão de crédito na carteira.

O problema fundamental é que o cartão cria a ilusão de que você não precisa ter dinheiro para ter o que quer: basta fazer a compra parcelada e depois você “dá um jeito”. Ofertas de pagamento em “10 vezes sem juros” e “zero de entrada” apenas perpetuam esta visão. Quem se dá bem é o varejo.

Quando Caroline decidiu controlar os gastos, estava já endividada. Decidiu implementar o método do 50/20/30, no qual divide as suas despesas em 3 categorias: essenciais, supérfluos e parcelas das dívidas. Para quem está no vermelho (como era o caso dela), os essenciais deveriam corresponder a 50% dos gastos; os supérfluos, 20%; e as parcelas, 30%. (Aqueles que não possuem dívidas podem redistribuir os gastos da seguinte forma: 50% para essenciais, 30% para supérfluos e 20% para reservas).

Logo ela identificou que o problema vinha com os gastos supérfluos e tomou a decisão simples, mas poderosa, de deixar o cartão em casa. Caroline ainda precisa de alguns meses para resolver as dívidas, mas em apenas um mês ela percebeu uma mudança forte na forma como gastava. O cartão de crédito ficou apenas para as necessidades e compras planejadas. Já os impulsos ficaram sob controle – sem ter como agir na hora em que bate a vontade de comprar, ela acaba sendo “forçada” a refletir se a compra faz sentido mesmo ou não no fim do dia, quando volta para casa.

Parece algo de impacto limitado, mas não é: na entrevista que fiz com ela no meu canal do YouTube, ela conta como deixar o cartão em casa revolucionou a vida financeira dela.

O que ela fez, na prática, é o que recomendo para quem está com dificuldade para manter os gastos sob controle. Deixar o cartão guardado, apenas para emergências e compras planejadas, pode ter um impacto enorme na sua vida financeira também.

Receba em primeira mão e com exclusividade as colunas de Carol Sandler em seu email
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Carol Sandler É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.

Compartilhe

Mais de Carol Sandler

Carol Sandler

O teste da terça-feira: como saber se uma compra vale a pena

Uma casa no interior com uma bela piscina. Eu não sei você, mas este é um dos meus grandes sonhos. Não tanto pela piscina em si, mas pela ideia de ter uma sombra refrescante, um lugar para ler em paz enquanto curto ver a minha família crescer.Quando comecei a ler “Happy Money: The Science of […]
Carol Sandler

Por que as mulheres não chegam a cargos de liderança?

Esqueça aquela história do “teto de vidro”, que falava da dificuldade para as mulheres de conseguir cargos altos de liderança, como CEO. O que o levantamento revelou foi que a principal barreira, na realidade, é o crescimento para cargos de gerência, logo no início da carreira
Carol Sandler

Clichê? De onde vem o mito da mulher gastadeira

Basta olhar as revistas femininas para constatar: falamos sobre dinheiro com homens e mulheres de formas diferentes.A questão ficou clara com um estudo recém lançado pelo Starling Bank, banco digital inglês, que mostrou que existe uma linguagem de gênero sobre finanças. Os achados são impressionantes.65% dos artigos direcionados a mulheres categorizam elas como “gastadoras excessivas”, […]