Confisco da poupança: por que não corremos este risco novamente

Não existe motivo, circunstância, nem um arcabouço jurídico para um confisco da poupança
Por  Carol Sandler -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Em tempos de crise, um possível confisco da poupança é o temor que tenho visto passar na cabeça de muita gente.

É algo triste: somos todos tão marcados pelo trauma de termos visto nossa poupança ser confiscada, nos anos 1990, que, na hora em que a situação piora, acreditamos que podemos passar de novo por aquilo.

Deixe-me ser bem clara: não, não existe este risco neste momento.

Em primeiro lugar, existe um impedimento legal para isso. Em 2001, foi aprovada a Emenda Constitucional nº 32, que impede qualquer medida provisória para a detenção ou o sequestro de bens, seja de caderneta de poupança ou qualquer ativo financeiro.

Para esta emenda ser alterada, seria necessário haver uma discussão e votação de projeto de lei no Congresso Nacional.

Ou seja: não existe mais este nível de risco institucional no país.

De 1990 para cá, tivemos uma grande evolução na qualidade das instituições brasileiras. Uma medida descabida como o confisco não teria como ser implementada no Brasil nos dias de hoje.

Mas há 30 anos, as coisas eram diferentes. Na noite de 16 de março de 1990, o então presidente Fernando Collor de Mello pegou o País desprevenido e anunciou o congelamento dos saques da caderneta de poupança, conta corrente e aplicações financeiras por 18 meses.

Ao controlar a circulação de moedas, Collor visava domar a inflação na marra – algo que só foi possível realizar em 1994, com o Plano Real.

A nossa situação hoje é completamente diferente. O IPCA, indicador oficial de inflação do Brasil, desacelerou para 0,07% em março.

Foi a menor taxa para o mês desde 1995. No acumulado de 12 meses, o IPCA tem alta de 3,3% – abaixo do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) de 4% ao ano.

A inflação está tão sob controle que o Banco Central anunciou em março um corte de 0,5 ponto porcentual da Selic para 3,75% ao ano.

Uma redução da taxa de juros é uma das principais ferramentas da política monetária de um país para estimular a economia, mas ela só pode ser utilizada de forma saudável quando a inflação está sob controle. Exatamente o nosso caso.

Neste momento, o risco de a inflação crescer é menos relevante do que o da economia desandar por conta da pandemia de coronavírus.

Não existe motivo, circunstância, nem um arcabouço jurídico para um confisco da poupança. Podemos respirar tranquilos – pelo menos com relação a este temor.

Receba em primeira mão e com exclusividade as colunas de Carol Sandler em seu email
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Carol Sandler É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.

Compartilhe

Mais de Carol Sandler

Carol Sandler

O teste da terça-feira: como saber se uma compra vale a pena

Uma casa no interior com uma bela piscina. Eu não sei você, mas este é um dos meus grandes sonhos. Não tanto pela piscina em si, mas pela ideia de ter uma sombra refrescante, um lugar para ler em paz enquanto curto ver a minha família crescer.Quando comecei a ler “Happy Money: The Science of […]
Carol Sandler

Por que as mulheres não chegam a cargos de liderança?

Esqueça aquela história do “teto de vidro”, que falava da dificuldade para as mulheres de conseguir cargos altos de liderança, como CEO. O que o levantamento revelou foi que a principal barreira, na realidade, é o crescimento para cargos de gerência, logo no início da carreira
Carol Sandler

Deixar o cartão em casa revolucionou a vida financeira dela

Tem quem opte pela versão ainda mais radical deste método: colocar o cartão de crédito em um copo cheio d’água e deixa-lo no congelador. Quando bater a vontade de fazer uma compra, você precisa esperar ele descongelar. Qualquer tentativa de acelerar o processo no micro-ondas resulta em um chip quebrado.No entanto, não precisa ir tão […]
Carol Sandler

Clichê? De onde vem o mito da mulher gastadeira

Basta olhar as revistas femininas para constatar: falamos sobre dinheiro com homens e mulheres de formas diferentes.A questão ficou clara com um estudo recém lançado pelo Starling Bank, banco digital inglês, que mostrou que existe uma linguagem de gênero sobre finanças. Os achados são impressionantes.65% dos artigos direcionados a mulheres categorizam elas como “gastadoras excessivas”, […]