Quando começa a negociar?

Muitos investidores fizeram reserva de cotas de FII em ofertas públicas e agora querem saber quando as cotas estarão disponíveis para a negociação na bolsa.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Calendário

Quando vai começar a negociação das cotas do fundo?

Essa pergunta tem sido frequente nas mesas das corretoras. Muitos investidores fizeram reserva de cotas de FII em ofertas públicas ou exerceram direitos de subscrição referentes a uma nova emissão de cotas, já pagaram por elas, mas ainda não as enxergam em suas posições de custódia e querem saber quando as cotas estarão disponíveis para a negociação na bolsa.

Pode ser que ainda leve alguns meses até o início da negociação.

De acordo com a Instrução CVM 400, que define as regras para distribuição de valores mobiliários (o que inclui as cotas de FII), uma oferta pública pode durar até seis meses.

No regulamento de cada fundo é determinado o prazo máximo (quase sempre seis meses), o valor que se pretende captar na oferta, um valor mínimo para distribuição parcial e, eventualmente, um lote suplementar, para o caso de excesso de demanda pelas cotas do fundo.

Para entender melhor vamos a uma situação hipotética: um novo fundo imobiliário irá a mercado fazer uma distribuição pública de cotas, com intuito de levantar 500 milhões de reais pela venda de 5 milhões de cotas a R$ 100,00 cada uma. No regulamento consta que o fundo poderá ter início se conseguir captar o montante mínimo de 200 milhões de reais e que o prazo da oferta será de até seis meses contados a partir da publicação do anúncio de início. Define-se um cronograma com as datas para investidores fazerem reserva e para pagar pelas cotas que comprarem.

Se todas as cotas forem vendidas os 500 milhões serão captados e o coordenador publicará o anúncio de encerramento da oferta indicando, dentre outras informações, a data de início da negociação de cotas.

Mas nem sempre o mercado está assim tão aquecido e pode acontecer de o fundo não conseguir vender todas as cotas na primeira data de reservas. Neste caso um novo cronograma será divulgado e a oferta continuará, com intuito de captar mais recursos. Se nesta segunda data ainda sobrarem cotas uma próxima data pode ser estipulada e assim sucessivamente, até que se consiga vender, pelo menos, o número mínimo de cotas ou qualquer valor entre o mínimo e o máximo, respeitando o limite de seis meses.

Se o fundo não captar nem o valor mínimo a oferta é cancelada e os recursos captados são devolvidos aos subscritores.

 

Janela de oportunidade

No segundo semestre de 2012 o mercado de FII estava muito aquecido, o que se costuma chamar de janela de oportunidade. Muitos administradores fizeram ofertas públicas de cotas e praticamente todas elas tiveram excesso de demanda e rateio. Bastava uma única tentativa e todas as cotas eram vendidas. Logo o anúncio de encerramento era publicado e as cotas começavam a ser negociadas.

Já em 2013 o mercado mudou muito. “Pibinho”, bolsa em queda, IFIX em queda, Selic em alta, dólar disparando, enfim, pessimismo geral instalado.

Não tem sido fácil captar recursos junto a investidores neste cenário. Em muitas das ofertas de FII que estão acontecendo não tem sido vendido o total de cotas pretendido (ou nem o mínimo) e, por isso, as ofertas não estão sendo encerradas logo nos primeiros dias.

Quem comprou cotas numa oferta que segue em aberto pode ter que esperar até que o prazo de seis meses acabe para ver o início da negociação acontecer. 

É por isso que muita gente tem feito a pergunta que inicia esse post.

A resposta é imprecisa. Pode demorar um pouco mais, até que o administrador do fundo consiga captar tudo (ou quase tudo) o que pretendia ou, ao menos, o valor mínimo.

Para saber até quando a oferta do seu fundo pode durar leia o prospecto e o regulamento do fundo. Para saber quando as cotas começarão a ser negociadas, aguarde a publicação do anúncio de encerramento da oferta.

Arthur Vieira de Moraes