Veja a lista completa dos bens devolvidos por Paulo Roberto Costa (foi você quem pagou)

Ex-diretor da Petrobras admitiu que praticou atividades ilícitas que o levaram a enriquecer – e agora está entregando documentos e nomes de envolvidos no esquema de corrupção

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

(SÃO PAULO) – Ontem recebi de um amigo uma cópia do acordo de delação premiada assinado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Os principais trechos do acordo já haviam sido revelados pela imprensa, mas, curioso que sou, quis saber em detalhes o que Costa havia oferecido ao Ministério Público e à Justiça em troca de uma drástica redução de pena. Os incentivos do acordo parecem bem corretos. Se o ex-diretor da Petrobras mentir à Justiça, perde as benesses da delação premiada. Quanto mais ele entregar documentos e pessoas que o ajudaram a praticar as atividades ilícitas, maior será a redução de sua pena, e vice-versa. Costa também se comprometeu a abrir toda sua movimentação financeira, a de familiares e a de empresas controladas para que os procuradores possam saber se ainda há bens adquiridos com dinheiro ilícito escondidos em algum lugar. O mais impressionante do documento, no entanto, é a revelação da vida de luxo e do patrimônio que Costa conseguiu acumular desviando dinheiro em contratos fechados pela Petrobras. Segue a lista completa do que ele prometeu devolver à União:

– cerca de US$ 23 milhões em contas bancárias na Suíça em nome de parentes ou empresas controladas que praticavam atividade criminosa;

– US$ 2,8 milhões em conta no Royal Bank of Canada em Cayman;

– lancha Costa Azul avaliada em R$ 1,1 milhão;

– terrenos em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, avaliados em R$ 3,202 milhões;

– R$ 762 mil apreendidos em sua casa;

– US$ 181 mil apreendidos em sua casa;

– 10.850 euros apreendidos em sua casa;

– Range Rover Evoque que ele recebeu de presente do doleiro Alberto Youssef, o outro delator do esquema. O veículo é avaliado em R$ 300 mil.

– vai pagar indenização de R$ 5 milhões à União pelos crimes cometidos;

– se forem identificados outros bens oriundos de atividade por meio da análise de toda sua movimentação financeira, também serão apreendidos.

João Sandrini

Leia também