Vai que a moda pega… e se a letra X fosse abolida do alfabeto?

Coitado do X-Burger, se a moda de tirar o "X" do nome pegar, o famoso sanduíche terá que ser chamado de "Hamburger com Queijo"

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Coitado do X-Burger, se a moda de tirar o “X” do nome pegar, o famoso sanduíche terá que ser chamado de “Hamburger com Queijo”. Por enquanto, essa “moda” está restrita apenas às ações de Eike Batista na bolsa brasileira: até agora, a MPX Energia e a OGX Petróleo mudaram de nome para Eneva (ENEV3) e OG Participações (OGXP3). 

Isso sem contar o time de vôlei que ele patrocinava antigamente, o RJX – atualmente apenas RJ, Rio de Janeiro. Mas não deve demorar muito e outras devem perder o “X” do nome, como a LLX Logística (LLXL3), que ja foi vendida. Se a OGX mudou de nome por razões esotéricas, não é difícil de imaginar que OSX Brasil (OSXB3), MMX Mineração (MMXM3) e CCX Carvão (CCXC3) também venham a perder a letra. Isso sem falar na holding EBX, que, fala-se, deve mudar de nome para Investments of Brazil. 

Se a ideia é se livrar do X na Bovespa, a construtora Lix da Cunha (LIXC3) pode virar apenas Li da Cunha, a Duratex (DTEX3) e Eucatex (EUCA4) viram Durate e Eucate e a Cia Hering muda de ticker, atual HGTX3. A Linx (LINX3) e a Contax (CTAX4) viram Lin e Conta. A Petrobras (PETR3; PETR4) não vai mais explorar o gás de xisto e sim o “gás de chisto”. 

No português, mudanças bizonhas: mexer se transforma em mecher, xadrez vira chadrez e xarope vira charope. Perde-se também a gíria “que X”, que designa uma aleatoriedade entre os mais jovens. No ramo alimentício, ameixa e abacaxi viram ameicha e abacachi. 

A Xuxa vai ter que atender pelo nome de Chucha ou Maria da Graça Meneguel. Jogos de futebol passam a ser designados com “VS” e não mais com o tradicional X. O esporte bretão não verá o holandês Ajax jogar contra o espanhol Xerez e sim o Aja contra o Erez. Até mesmo a Mega Sena e os vestibulares passam por mudanças, já que não vale mais usar o tradicional X na hora de marcar o número ou letra desejada. 

Na cultura nerd, os mutantes dos X-Men vão ter que repensar no nome (talvez virem Charles Mutants), enquanto o seriado de sucesso Arquivo X vai ter que se chamar “Alienígenas – A verdade está lá fora”. O canal de televisão Fox, que produziu o seriado, vai ter problemas com seu nome também – assim como de sua subdivisão, o FX. A música perde o cantor Xororó, que virará Chororó. 

O ensino de biologia vai mudar, já que os cromossomos vão deixar de ser representados pelos tradicionais XX e XY. A matemática escolar vai ser prejudicada, já que o X é usado comumente para representar números desconhecidos, algo que já virou piada no conceituado website Kibeloco. Os números romanos também sofrem sem o X, que representa 10.

Por fim, a hora de tirar fotos perde o seu tradicional “grito de guerra” – o X, para que se dê um sorriso. Um mundo sem X é, principalmente, um mundo mais confuso. 

Felipe Moreno

Leia também