Vai assistir o Oscar? Conheça os indicados a melhor filme e veja quem é favorito

Entre os indicados para as 24 categorias, "Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)" e "O Grande Hotel Budapeste" são os que estão em mais tem indicações, com nove cada um

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Neste domingo (22) ocorre a maior premiação do cinema, o Academy Awards, também conhecido como Oscar. Em 2015 são apenas 8 indicados a melhor filme – entre 10 possíveis – um a menos que no ano passado.

Entre os indicados para as 24 categorias, “Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)” e “O Grande Hotel Budapeste” são os que estão em mais tem indicações, com nove cada um. Na sequência, vem “O jogo da imitação”, com oito. “Boyhood: Da infância à juventude”, apesar de ser um dos favoritos para o prêmio máximo, disputa apenas seis estatuetas.

Conheça agora um pouco melhor sobre cada indicado para melhor filme:

Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)
A história gira em torno de Riggan Thomson (Michael Keaton), que fez muito sucesso no passado ao interpretar Birdman, um super-herói que se tornou um ícone cultural, em uma série de filmes. Porém, após encerrar esta série, sua carreira começou a afundar. Em busca da fama perdida e também do reconhecimento como ator, ele decide dirigir, roteirizar e estrelar a adaptação de um texto consagrado para a Broadway. Entretanto, em meio aos ensaios com um elenco que inclui Mike Shiner (Edward Norton), um ator que utiliza o chamado “método”, onde o ator vive o personagem 24 horas por dia, o que gera muitas dificuldades na produção. Em meio a problemas dentro e fora dos palcos, Riggan houve a voz de Birdman em sua mente, que insiste que ele deve abandonar esta vida.

Considerado um dos favoritos, Birdman lembra um pouco do que “O Artista” representou em 2011, já que ambos são metalinguísticos. Nesta produção, dirigida por Alejandro González Iñárritu (de “21 Gramas” e “Babel”), o expectador tem a sensação de ver um grande plano-sequência, ou seja, é como se não houvesse nenhum corte de cena durante todo o filme. Tem tido boas críticas por especialistas, mas não chega a ser uma unanimidade. A força do filme está exatamente em sua metalinguagem, que brinca com o próprio cinema, seja na relação entre o “blockbuster” e o “filme arte”, ou na forma de preparação dos atores. Categoria essa que tem potencial para vencer o Oscar, com Michael Keaton no que muitos acreditam ser sua melhor atuação.

O Grande Hotel Budapeste
Em 1932 Gustave H. (Ralph Fiennes) é o aplicado gerente do Grande Hotel Budapeste, localizado em Nebelsbad, na ex-república de Zubrowka, na fronteira mais oriental da Europa. Por conta do testamento de Madame D, uma rica e frequente hóspede, que lhe deixa uma valiosa pintura, tanto sua vida, como a do mensageiro iniciante Zero, sofrem grandes mudanças.

Apesar da enxuta sinopse, no filme de Wes Anderson o que não falta é história. Repleto de personagens memoráveis, incluindo grandes atuações, como a de Ralph Fiennes, a trama colorida – algo recorrente nos filmes do diretor – é uma das melhores produções de Anderson. Para quem já assistiu “Os Excêntricos Tenenbaums” ou “Moonrise Kingdom” o estilo característico do diretor não chega a ser uma surpresa, mas nem por isso “O Grande Hotel Budapeste” parece ser repetitivo. É considerado o queridinho do público, mas dificilmente deve ganhar alguma das principais categorias.

O Jogo da Imitação
O é a cinebiografia de Alan Turing, um pioneiro na computação que levou um grupo de estudiosos ao projeto Ultra, criado para quebrar o “Enigma”, um complicado código para criptografar as mensagens trocadas pelos nazistas durante a segunda guerra. Para isso Turing criou o projeto para o que é considerado o primeiro computador da história, uma máquina capaz de pensar sozinha para quebrar o código alemão.

Apesar do alto número de indicações, o filme está entre os menos cotados para vencer as principais categorias. Seu roteiro é bem construído e as atuações não têm problemas, mas “O Jogo da Imitação” não surpreende em nenhum aspecto, o que diminui suas chances de vitória.

Boyhood: Da Infância à Juventude
Conta a história de um casal de pais divorciados que tenta criar seu filho Mason e sua irmã Samantha. A história segue o garoto durante doze anos, desde a entrada para a escola, aos 6 anos, até a faculdade aos 18 anos – e analisa o seu relacionamento com os pais à medida que cresce.

Grande favorito para vencer como melhor filme. Não chega a ser uma unanimidade entre os críticos, mas a maneira inédita como o longa foi feito deve ajudar na escolha da acadêmia. O diretor Richard Linklater passou 12 anos filmando Boyhood para levar para a tela não só a evolução do personagem dentro da trama, mas também para mostrar as transformações dos atores. Em seus 164 minutos, o filme traz grandes referências aos anos 90 e mostra de forma natural e delicada a evolução de uma criança até chegar na adolescência.

A Teoria de Tudo
Baseado na biografia de Stephen Hawking, considerado um dos maiores físicos da atualidade, o filme mostra como o jovem astrofísico vivido por Eddie Redmayne fez descobertas importantes sobre o tempo, além de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge Jane Wide (Felicity Jones) e a descoberta de uma doença motora degenerativa quando tinha apenas 21 anos.

Apesar de ser uma biografia, o filme mostra muito mais da relação entre Hawking e Jane do que exatamente as descobertas e estudos feitos por ele. Não está entre os favoritos para melhor filme, mas a atuação de Eddie Redmayne como o astrofísico deve levar o ator a ganhar a estatueta. O britânico chama atenção ao representar Hawking tanto quando jovem, ainda sem efeitos de sua doença, mas também em todos os estágios em que vai perdendo as fuções motoras, até ficar completamente paralisado em sua cadeira de rodas.

Whiplash
Andrew Neiman é um estudante baterista de jazz do melhor conservatório dos Estados Unidos e pretende ser um dos grandes músicos, tendo como ídolo Buddy Rich. Terence Fletcher é professor do conservatório. É extremamente exigente com seus alunos e está a procura de músicos para a banda da escola. Ele recruta Andrew, no que pode ser uma das melhores oportunidades de sua carreira, mas seus métodos duros podem ser demais para Andrew.

Vencedor do Globo de Ouro de ator coadjuvante, J. K. Simmons é favorito para levar a estatueta no próximo domingo. Apesar da trama simples, “Whiplash” chama atenção pelas atuações e pela história de superação do protagonista. Sem chamar muita atenção na lista de melhores filmes, o longa tem sido muito elogiado e tem colecionado prêmios em festivais pelo mundo.

Sniper Americano
O filme é a biografia do atirador de elite americano Chris Kyle (Bradley Cooper), considerado como o sniper mais letal da história dos EUA, com 255 mortes, sendo 160 confirmadas pelo Pentágono. O longa mostra as diversas viagens feitas por Kyle ao Iraque na “luta contra o terror”, assim como seus momentos em casa, destacando como ele piora psicologicamente a cada nova missão.

Dentre os indicados, é o que mais arrecadou em bilheteria nos EUA e mais gerou polêmica. Com críticas e elogios de todos os lados, Sniper Americano retrata muito do pensamento nacionalista americano e como Kyle tem orgulho em defender seu país na guerra, matando quem for preciso. Apesar disso, o diretor Clint Eastwood – conhecido por filmes de faroeste e ação -, não exalta esse pensamento. Pelo contrário, Eastwood retrata bem o quanto as atitudes de Kyle levam ele a se afastar da família e se tornar cada vez mais paranoico. O filme não deve levar nenhum prêmio entre as principais categorias.

Selma
Cinebiografia do pastor protestante e ativista social Martin Luther King Jr. (David Oyelowo), que acompanha as históricas marchas realizadas por ele e manifestantes pacifistas em 1965, entre a cidade de Selma, no interior do Alabama, até a capital do estado, Montgomery, em busca de direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana.

Filmes como esse, que retratam momentos históricos dos EUA tendem a ser vencedores no Oscar. Porém, um problema na distribuição de cópias do filme para os integrantes da Acadêmia (que votam nos melhores) prejudicou as indicações de “Selma”, deixando, por exemplo, Oyelowo de fora da categoria de melhor ator. O filme não deve levar prêmios exatamente por este problema, já que seu potencial era grande. Um drama forte que mostra um dos maiores momentos da história de Martin Luther King, e que não deve deixar de ser conferido.

Rodrigo Tolotti

Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.

Leia também