Rumor no Pão de Açúcar é que Abilio pode tentar compra do Carrefour

Com R$ 5 bilhões para investir, o próximo alvo do Abilio poderia ser justamente a empresa melhor posicionada para competir com aquela que ele dedicou boa parte da vida

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

SÃO PAULO – O rumor de que Abilio Diniz poderia tentar comprar o Carrefour no Brasil circula nos corredores do Pão de Açúcar. Um diretor do Pão de Açúcar que pediu para não se identificar disse ao InfoMoney já ter ouvido que Abilio está de olho na segunda maior varejista do Brasil. A aquisição faria sentido. Abilio comandou o Pão de Açúcar praticamente durante toda a vida e é reconhecidamente um dos maiores especialistas em varejo no Brasil. Além disso, Abilio tentou comprar o Carrefour há dois anos, quando ainda comandava o Pão de Açúcar – mas o negócio naufragou após o BNDES retirar o apoio financeiro à operação. Por último, alguns dos principais acionistas do Carrefour já deixaram vazar o descontentamento com os resultados obtidos pela unidade brasileira.

Segundo a fonte, o empresário, atualmente um grande acionista e presidente do conselho da BRF (BRFS3), já teria entrado em contato com acionistas do Carrefour. Com R$ 5 bilhões para investir e vigor para assumir novos desafios empresariais, o próximo alvo do Abilio poderia ser justamente a empresa melhor posicionada para competir com a companhia para a qual ele dedicou praticamente a vida inteira. 

A assessoria de imprensa de Abilio nega a informação. “O empresário por enquanto está focado em BRF e na Peninsula Investimentos [family office dele]”, disseram.

A aquisição de Abilio não seria, necessariamente, da totalidade da rede do Carrefour no Brasil. Há rumores de que a rede francesa estaria se preparando para abrir o capital da subsidiária brasileira na BM&FBovespa em 2014 – o que tornaria o Carrefour Brasil a única subsidiária com capital aberto da rede francesa. A operação poderia até facilitar a entrada do empresário na estrutura de capital do Carrefour. Essa pode ser, inclusive, a “saída” encontrada para captar dinheiro para resgatar o crescimento da rede e acomodar Abilio. 

Desentendimentos
A saída do empresário do Pão de Açúcar não foi fácil – foram meses de divergências com os franceses do Casino, que assumiram a empresa no ano passado. O relacionamento com Jean Charles Naouri, presidente do grupo francês, se deteriorou muito – a ponto de Abilio optar por sair da empresa. O acordo com o Carrefour havia sido um dos motivos para tanta desavença: Naouri a havia visto como uma tentativa de “golpe” para manter Abilio como principal nome do grupo. 

Se o rumor se concretizar, Abilio terá a oportunidade perfeita de vingar-se do antigo sócio: se o Pão de Açúcar é a maior varejista do Brasil, o Carrefour é a segunda – mas encontra-se em um momento não tão favorável, sem abrir uma nova loja desde 2010. Com capital novo entrando e o expertise de Abilio, o Carrefour poderia voltar a ser uma sombra preocupante para o Pão de Açúcar.

O terceiro colocado, o Walmart, vem fechando lojas no Brasil. Já o quarto, a rede chilena Cencosud, estagnou após uma entrada agressiva no varejo brasileiro. Além disso, o processo de consolidação nacional do varejo ainda não terminou – e quem tem dinheiro ainda encontra um mercado bastante fraturado regionalmente, com várias redes que poderiam ser compradas. 

Abilio pode assumir?
Haveria um empecilho. A posição de Abilio no grupo BRF pode ser prejudicial para a operação, já que poderia ocasionar um conflitos de interesse – se, por exemplo, ele se tornasse presidente do conselho de ambas companhias. Isso aparentemente não é problema para a BRF, que resolveu não se posicionar sobre o rumor. É importante lembrar que Abilio assumiu sua posição na BRF quando ainda era presidente do conselho do Pão de Açúcar. Resta saber se isso é um incômodo para o Carrefour.

Felipe Moreno

Leia também