Otimismo tucano, banquete e cochilos; veja o que rolou nos bastidores do debate da Globo

Pedido de Suplicy à Tralli e comemoração tucana por Padilha enfrentar perguntas relacionadas à saúde também estavam os melhores momentos dos políticos longe dos flashes.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
(Agência Brasil)

SÃO PAULO – Não foram apenas os ataques ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), coordenados pelos seus principais opositores, Alexandre Padilha (PT) e Paulo Skaf (PMDB), que se destacaram no último debate entre os candidatos ao governo de São Paulo realizado pela TV Globo nesta terça-feira. Confira outros momentos que chamaram a atenção de quem estava presente nos corredores da emissora.

PSDB em festa. Prevalecia um clima de otimismo entre os líderes tucanos sobre os rumos da candidatura de Aécio Neves. Levantamentos internos do partido apontam que o ex-governador de Minas Gerais deve ultrapassar a candidata do PSB, Marina Silva, nas intenções de voto já nas pesquisas a serem divulgadas na sexta-feira.

Sem rodeios. Ao lado do prefeito Fernando Haddad, do PT, o senador petista Eduardo Suplicy pediu que o âncora do SPTV e mediador do debate entre os candidatos ao governo de São Paulo, Cesar Tralli, falasse mais das realizações do prefeito da capital paulista e não destacasse apenas as coisas ruins da gestão. O jornalista contestou que já vem adotando essa prática.

Torcida contra. Edson Aparecido, coordenador da campanha de Alckmin, comemorou bastante quando Padilha foi sorteado para responder a uma pergunta sobre saúde. 

Família reunida. Os principais candidatos estavam acompanhados de familiares. Padilha levou a esposa, Thássia Alves, enquanto Skaf foi prestigiado por quatro dos cinco filhos. Lu Alckmin, esposa do governador, e seus três filhos estavam presentes.

Novo apelido. A postura mais agressiva de Alckmin fez com que seus correligionários brincassem com seu famoso apelido “picolé de chuchu”. De acordo com eles, o governador estava mais para “chuchu picante”.

Time errado. Emidio de Souza, coordenador de campanha do candidato petista, chegou atrasado ao debate e se sentou na plateia destinada aos convidados tucanos. Quando percebeu, saiu fazendo piada e arrancando risadas dos membros do PSDB. 

Dança das cadeiras. O “atrasadinho” ainda causou outro rebuliço. Ao longo do debate trocou de lugar com Suplicy e passou a se sentar ao lado de Haddad e da mulher de Padilha.

Companhia da casa. Sentado entre os convidados do PSDB, ao lado de Márcio França (PSB), candidato à vice-governador da chapa de Alckmin, estava Fernando Vieira de Melo, diretor de Relacões Institucionais das Organizações Globo. 

Tédio? O executivo da emissora não se intimidou com os tucanos e acabou dormindo durante o debate. Se engana quem pensa que ele foi o único a conseguir tal proeza: um militante do PSOL e um líder tucano também acabaram cochilando ao longo do programa.

Cardápio de primeira. Nem a imprensa, tampouco os convidados vips podem reclamar do banquete servido antes do debate. Entre os itens mais saborosos, vale destacar o terrine de azeitonas pretas, o mini lanchinho de rosbife e pesto de rúcula e o canapé com pasta de atume azeitonas verde.

Marcello Ribeiro Silva

Leia também