Leitores enviam notas de corretagem de seus piores trades; participe do concurso e ganhe prêmios

Os investidores que tiverem comprado ações próximas de suas máximas históricas e que depois despencaram serão presenteados com cursos da InfoMoney Educação e com uma assinatura anual da Revista InfoMoney

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

(SÃO PAULO) – Os leitores do InfoMoney já começaram a enviar as notas de corretagem dos piores trades que já fizeram. Estão concorrendo a cursos da InfoMoney Educação e a uma assinatura anual da Revista InfoMoney os investidores que compraram:

– OGX, hoje OGP (OGXP3) a R$ 22,92 no dia 08/11/2010 (máxima histórica de R$ 23,39).

– Mundial (MNDL4) a R$ 5,18 no dia 20/07/2011 (máxima histórica a R$ 7,99)

– LLX, hoje Prumo (LLXL3) a R$ 9,19 em 14/09/2010 (máxima histórica de R$ 10,89).

– Vale (VALE5) a R$ 50,78 em 14/12/2010 (máxima histórica de R$ 59,22).

– Petrobras (PETR4) a R$ 38,85 no dia 23/11/2009 (máxima histórica de R$ 43,74).

– Laep (MILK33) a R$ 0,90 no dia 23/12/2010 (máxima histórica a R$ 8,20)

O concurso vai premiar os investidores que tiverem realizado as piores compras da história. Para participar, basta enviar para o e-mail educacao@infomoney.com.br as notas de corretagem de investimentos piores que os da lista acima no caso dessas seis ações ou então de outros papéis próximos de suas máximas históricas e que depois despencaram. Por exemplo, um leitor que tenha comprado papéis da OGX acima de R$ 22,92 ainda pode ser premiado. Alguém que tenha investido em Agrenco com uma cotação próxima do topo também está apto a ficar entre os vencedores.

O investidor não precisa revelar quanto dinheiro investiu em determinada ação – essa informação pode ser rasurada da nota caso o investidor considere conveniente. De qualquer forma, o dado será tratado pela redação como confidencial. Mas a nota precisa incluir o nome da pessoa e a cotação de compra do papel. A veracidade das informações será checada junto à BM&FBovespa e à corretora que intermediou a operação.

O leitor que tiver feito os piores trades vai ganhar cinco cursos de sua escolha que estão disponíveis no portal da InfoMoney Educação e também uma assinatura anual da revista InfoMoney. Outros cinco leitores com trades muito ruins serão premiados com um curso e uma assinatura. Os ganhadores serão divulgados pelo InfoMoney no próprio site e a pessoa será convidada a gravar um vídeo contando sua experiência e as lições que foram aprendidas. 

A promoção marca o lançamento da InfoMoney Educação, um grande portal de cursos sobre investimentos, negócios e empreendedorismo (clique aqui e conheça). A ideia é ajudar os leitores a desenvolver uma estratégia vencedora de investimentos e a ganhar dinheiro – para isso, nada melhor do que aprimorar os próprios conhecimentos.

João Sandrini

Leia também