Joaquim Levy: o Chicago Boy será um Chicago Bull ou Chicago Bear (market)?

Principal centro de formação de economistas do mundo, Chicago também é sede de um time de basquete e de futebol americano cujos nomes fazem referência a dois famosos termos do mercado financeiro

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

SÃO PAULO – Na última sexta-feira (9), o novo ministro da Fazenda Joaquim Levy realizou uma “conversa” com internautas através do Facebook. Durante o bate-papo, pergunta curiosa surgiu: se ele se considerava um Chicago Boy – termo usado para designar alguns economistas que estudaram na imponente Universidade de Chicago. Curiosamente, a cidade também é sede de dois times de diferentes esportes cujos nomes possuem relação com o mercado financeiro: “Bull” (touro) e “Bear” (urso).

O touro e o urso são utilizados no mercado financeiro para definir, respectivamente, uma tendência de alta ou de baixa. A utilização destes animais para a classificação deve-se à forma como eles atacam: o touro chifra sua vítima de baixo para cima (“bull market”), enquanto o urso golpeia com a pata de cima para baixo (“bear market”). As equipes são o time de futebol americano Chicago Bears e a equipe de basquete Chicago Bulls.

Mas até onde vai a estranha relação entre o novo ministro brasileiro e os curiosos animais do mercado financeiro? Chegaremos lá.

Chicago Boy
Chicago Boy foi dado a um grupo de 25 economistas chilenos que formularam a política econômica da ditadura do general Augusto Pinochet. 
Além de liberalistas, estes economistas também foram estudantes de pós-graduação da Universidade de Chicago – assim como Levy, que é PhD pela instituição, criada pelo magnata do petróleo John Rockfeller, sendo reconhecida por seu pensamento liberal (e bastante diferente do pensamento da atual presidente Dilma Rousseff).

Apesar de negar que seja um “Chicago boy” e ressaltar que “algumas reformas deram muito certo e outras nem tanto” – além das contestações sobre a política daquele período e que teria sido feita a custa de direitos dos trabalhadores -, Levy enfrenta desafios muito parecidos na política econômica. 

Com crescimento fraco do PIB e tendo que arrumar a casa quando o assunto são as contas fiscais – de forma a dirimir a contabilidade criativa em sua gestão – as expectativas sobre Levy são bastante altas e que ele poderia reanimar o mercado e as perspectivas sobre a economia brasileira.

Bulls x Bears
Saindo da economia para os esportes: 
o Chicago Bulls ficou conhecido mundialmente por ter dominado a NBA (National Basketball Association) nos anos 1990. Liderado por Michael Jordan (tido por muitos como o maior jogador de basquete da história) e Scottie Pipen, o Chicago Bulls ganhou 6 campeonatos em 8 anos. O movimento curiosamente é parecido com o “bull market” do mercado, embora de lá pra cá a equipe nunca mais tenha conseguido repetir os seus tempos áureos, mantendo-se como um “time mediano” na NBA

A mesma analogia não pode ser feita sobre o Chicago Bears. O time fundado em 1919 é um dos principais nomes do futebol americano, sustentando 670 vitórias na NFL (National Football League), um recorde no país – ou seja, bem longe de um “bear market” esportivo. 

Qual “time” Levy vai ser?
Levy veio para Ministério da Fazenda com a difícil missão de colocar a economia brasileira de volta nos trilhos, após 8 anos com o contestado Guido Mantega à frente da pasta. Para trazer a Bovespa 
de volta para o “bull market”, terá que realizar ajustes fiscais, cortes de gastos e até aumento de impostos que, a curto prazo, podem levar a economia a registrar uma queda ainda maior da atividade econômica. Porém, por outro lado, caso a confiança sobre um ajuste aumente com as adoções de medidas de austeridade fiscal, Levy pode se tornar aquele que fez o Brasil voltar a crescer. 

Levy conta com a confiança do mercado: o seu discurso leva convicção aos seus propósitos, o que não acontecia com o seu sucessor. Porém, conforme afirma o diretor-executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme: “a reconquista da credibilidade do país perante seus nacionais e ao mercado internacional depende de resultados positivos no enfrentamento direto e objetivo pelo governo do quadro macroeconômico extremamente deteriorado do país causado por erros continuados de gestão, que agora precisam ser revertidos”.

Isso sem contar que, para isso, Levy dependeria do apoio irrestrito de Dilma para realizar as reformas – o que, pelo histórico dos últimos 8 anos, pode ser complicado.

Será que Levy seguirá com o “bear market” que marcou 2014 ou continuará no “bulll market”? É aguardar os próximos capítulos para saber…

Thiago Salomão

Idealizador e apresentador do canal Stock Pickers

Leia também