S.O.S. adolescência: a falta de limites nos gastos dos filhos

Frustrados pela falta de tempo com os filhos, pais cedem às exigências de consumo dos adolescentes

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
(Shutterstock)

Até que nossos filhos cresçam e possamos observar como eles administram a própria vida, nunca sabemos se estamos educando da forma certa: o mais provável é que estejamos errando quando achamos que estamos acertando e que estejamos acertando quando achamos que estamos errando.

Em conversa com a minha amiga, Carol Stange, também educadora financeira e mãe, falávamos sobre como é complicado para nós, pais, nos dividirmos entre a responsabilidade do trabalho e a responsabilidade e educação dos filhos.

De um lado, temos uma mudança cultural que impacta no dia a dia da família: a mulher no mercado de trabalho full time. Do outro, a adolescência, período naturalmente delicado da vida de todos.

PUBLICIDADE

Até bem pouco tempo, todo o poder de decisão sobre o dinheiro da família era do homem, pai de família. Hoje, a mulher divide espaço com os homens e participa ativamente no orçamento familiar e, como consequência, também fica fora de casa a maior parte do dia.

E o filho adolescente? Nessa fase, os pais não participam da rotina do filho da mesma forma de quando ele era uma criança. O adolescente passa agora a exibir comportamentos específicos e adota códigos não verbais para ser aceito e se destacar no seu grupo (como vestuário, maquiagem, cabelo).

O que vemos hoje é que ambos os pais perderam o controle sobre os hábitos de consumo desse filho adolescente. Com o dia-a-dia agitado, o filho demanda algumas aquisições que, segundo ele, são necessárias para fazer parte do grupo de amigos, processo de aceitação tão importante para um adolescente.

E os pais, genuinamente interessados no seu bem-estar e sem tempo ou energia disponíveis para uma conversa franca a fim de saber a real necessidade da compra, lhe dão o que pede. A situação se repete algumas vezes e quando os pais se dão conta são reféns das solicitações e exigências do filho que, caso não obtenha o que deseja, sofrerá “consequências terríveis” no seu círculo de convivência.

Os pais, perdidos, se sentem frustrados por pagar por consumos tão fugazes, onde não percebem a valorização nos olhos do filho do esforço e investimento monetário da parte deles.

Outros pais se percebem raivosos de si mesmos, não somente pela culpa por trabalhar tanto e estar ausente, mas por não ter compreendido que ter ofertado ao filho, ainda tão criança, muito mais do que o próprio filho pedia ou nem pedia e lhe era dado, poderia leva-lo a um nível de ingerência financeira.

PUBLICIDADE

O fato é que acobertar hábitos de consumo impulsivos, satisfazendo-lhe todas as vontades, traz como consequência a perda da influência dos pais sobre os filhos. Quando esse filho ouvir “não”, os pais encontrarão um adolescente infantilizado que fica enfurecido por não ser prontamente atendido.

Limites são preciosos.

Garanta sua independência financeira: abra uma conta gratuita de investimentos na XP!

Silvia Alambert

Silvia Alambert é fundadora e CEO da The Money Camp® no Brasil. Educadora financeira de crianças e jovens, é certificada e licenciada pela Creative Wealth® Intl (USA) e coordenadora do projeto de educação financeira para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade sócio-econômica pelo ITESA (Instituto de Tecnologia Social Aplicada).