Fadiga da Crise: governos perderam a credibilidade com a população

A pandemia do Covid-19 está afetando nossa rotina de uma maneira inesperada. Mas por que algumas pessoas simplesmente não aceitam o isolamento social solicitado pelos órgãos oficiais?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
Reabertura economia coronavírus
(Jessica McGowan/Getty Images)

Pode ser que a postura de repulsa pelo apelo governamental esteja relacionada a um tipo específico de estresse que vem ocorrendo nos últimos anos: “fadiga da crise”.

Quando você se depara com uma ameaça, seu corpo se prepara para duas possíveis situações: luta ou fuga. Em momentos como os que estamos vivendo, nos quais nosso cérebro é bombardeado por um ataque massivo de crises, é comum despertar o sentimento de estarmos perdidos ou dormentes.

Ao longo das duas últimas décadas temos sofrido com crises políticas e financeiras, enfrentado os discursos apocalípticos sobre fim dos tempos, sobrevivido à gripe suína, gripe aviária, Ebola, febre amarela, crise financeira global, agitação civil nacional.

PUBLICIDADE

Então, é bem provável que as pessoas simplesmente se sintam “vacinadas” dos avisos de políticos e agora os ignoram.

O coronavírus acrescentou mais estresse e tensão onde a ansiedade e a luta pela sobrevivência já era uma realidade dura dentro da sociedade.

O problema é que altos níveis de estresse causam outros estragos à saúde, tais como ansiedade e insônia, que levam a outros problemas, como ganho de peso, pressão alta e até perda óssea. O estresse pode matar.

A “fadiga da crise” se traduz em cansaço mental, resultado da exposição constante a discursos sobre crises políticas e financeiras, tragédias ambientais, escândalos de corrupção, fazendo com que as pessoas permaneçam em estado de alerta, preocupadas, amedrontadas e com a emoção à flor da pele.

Essas preocupações envolvem as questões ligadas ao trabalho, à família e às finanças pessoais, até que a confiança se rompe e então os indivíduos passam a se guiar por seus instintos. Por que ficar isolado se já passamos por tantas outras crises que disseram ser tão graves e ao final nem era tudo isso?

Ao que parece, muitas pessoas – e os jovens adultos em especial – simplesmente estão ignorando os riscos de não ficarem em casa e estão desafiando não somente os órgãos oficiais de saúde, mas a própria vida, como um sinal de protesto a tudo o que discordam ou naquilo que deixaram de acreditar.

A mensagem é “cansamos de atender aos seus chamados e de sermos esquecidos. Temos causas mais importantes para defender”.

Considerando que para muitos, o medo já faz parte do dia a dia, não se importam em violar as regras, viver suas experiências e lutar por suas causas.

As pessoas estão cansadas em lutar por discursos vazios que não trazem resultados práticos.

Newsletter InfoMoney – Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Silvia Alambert

Silvia Alambert é fundadora e CEO da moola Educação Financeira (The Money Camp® no Brasil). Educadora financeira de crianças e jovens, é certificada e licenciada pela Creative Wealth® Intl (USA) e coordenadora do projeto de educação financeira para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade sócio-econômica pelo ITESA (Instituto de Tecnologia Social Aplicada).