Começou o prazo de declaração do Imposto de Renda 2021: veja informações importantes

Nesse período é comum pessoas mal intencionadas encaminharem mensagens eletrônicas com links falsos sobre o Imposto de Renda e sobre o Informe de Rendimentos, portanto, desconfie de qualquer mensagem que receber com conteúdo relacionado às suas finanças.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

No final do mês de fevereiro foi encerrado o prazo para as empresas entregarem a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (DIRF).

Todas as empresas que pagaram qualquer quantia em qualquer operação em que houve tributação direto na fonte, a exemplo de pagamento a empregado, distribuição de lucros, pensão alimentícia, previdência, valores enviados ao exterior, pagamentos a empresas, dentre outros, tiveram a obrigação de entregar a DIRF.

Ela permite que a Receita Federal cruze as informações com a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e identifique possíveis fraudes.

Findado o prazo para a entrega da DIRF, inicia-se o prazo para a entrega da Declaração do IRPF, que vai de 1º de março até o dia 30 de abril de 2021.

No ano passado, esse prazo foi adiado em função da pandemia do COVID-19, mas para 2021, a Receita Federal deve obedecer ao calendário original.

São obrigados a declarar o IRPF aqueles que receberam em 2020 mais de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis (salário, férias, hora extra, benefícios do INSS, pensão, rendimento de investimentos e de alugueis), quem recebeu auxílio emergencial em qualquer valor, aqueles que receberam mais de R$ 40.000,00 em rendimentos isentos e aqueles que até o final do ano passado obtiveram veículo, imóvel ou outros bens acima de R$ 300.000,00 (somados os valores dos bens).

É preciso ficar atento, pois na ficha de Bens e Direitos foram criados campos para informação de criptoativos.

Existem outras regras e é preciso consultar o sistema da Receita Federal para identificar se você é obrigado ou não a declarar o IR.

O governo espera receber 33 milhões de declarações, totalizando aproximadamente 20 bilhões de reais em tributos.

PUBLICIDADE

Como as empresas já entregaram a DIRF é possível solicitar o Informe de Rendimentos.

Os bancos e as corretoras de valores já disponibilizaram o Informe de Rendimentos para download. Caso não tenha recebido, acesse as informações diretamente na plataforma do operador financeiro.

Nesse período é comum pessoas mal intencionadas encaminharem mensagens eletrônicas com links falsos sobre o Imposto de Renda e sobre o Informe de Rendimentos, portanto, desconfie de qualquer mensagem que receber com conteúdo relacionado às suas finanças.

Importante dizer que já está disponível a versão 8.01 do aplicativo de celular Meu Imposto de Renda, disponibilizado pelo Governo do Brasil, tanto para o sistema Android como para iOS.

Por meio dele é possível preencher e entregar a declaração, receber alertas sobre a situação da sua declaração, consultar pendências e tirar dúvidas acessando um banco de perguntas e respostas.

Não poderão utilizar o aplicativo aquelas pessoas que tenham recebido rendimentos acima de 5 milhões de reais, quem recebeu valores provenientes do exterior e quem tenha recebido rendimento correspondente a lucro em venda de imóvel residencial para aquisição de outro imóvel.

Para 2021, a Receita Federal pretende restituir o Imposto de Renda em cinco lotes, o primeiro em 31 de maio, destinado às pessoas acima de 60 anos, portadores de doenças graves e professores.

O 2º lote deverá ser pago em 30 de junho e o 5º e último lote em 30 de setembro, sendo pago por ordem de chegada, portanto, quanto antes o contribuinte entregar a sua declaração, maior a probabilidade de ser restituído nos primeiros lotes.

PUBLICIDADE

Eli Borochovicius

Eli Borochovicius é Head Pedagógico da Progress Educacional, empresa especializada em Formação de Professores para Letramento Financeiro e desenvolvimento de conteúdo financeiro para escolas e empresas e docente de finanças na PUC-Campinas. Doutor e Mestre em Educação pela PUC-Campinas, com estágio doutoral na Macquarie University (Austrália). Possui MBA em gestão pela FGV/Babson College (Estados Unidos), Pós-Graduação na USP em Política e Estratégia, graduado em Administração com linha de formação em Comércio Exterior e diplomado pela ADESG. Acumulou mais de 20 anos de experiência na área financeira, tendo ocupado o cargo de CFO no exterior. Possui artigos científicos em Qualis Capes A1 e A2 e é colunista do quadro Descomplicando a Economia da Rádio Brasil Campinas.