Em Ritmo de Fuga: o melhor filme do ano que você nem sabia que existia

Filme estreia em 27 de julho, mas já está terá pré-estreias em cinemas selecionados nos dois próximos fins de semana. 
Por  Rodrigo Tolotti
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

SÃO PAULO – Lançado originalmente no festival indie South by Southwest, Baby Driver (ou Em Ritmo de Fuga, no péssimo título em português) tem sido muito elogiado por onde passa. Já nos cinemas em alguns dos principais mercados cinematográficos do mundo, não é à toa que o longa está sendo considerado o melhor filme do ano até agora: ele é exatamente isso.

Apesar do nome que ganhou por aqui, se tem uma coisa que este filme dirigido por Edgar Wright é ritmo. Desde a primeira cena a música é essencial e é o que comanda toda a ação, colocando as emoções em outro patamar, como poucos cineastas conseguem hoje. Com uma trilha sonora selecionada a dedo, é incrível como todas as músicas têm seu papel e se integram ao que está acontecendo na tela, de um tiro ao dinheiro sendo colocado na mesa, a edição de som liga estes detalhes à batida das canções.

A trama até que não é original: um garoto que entrou para o mundo do crime meio que sem querer e agora promete que seu próximo ato será o último. As atuações, exageradas, são ótimas, mas nenhuma tem aquele algo a mais digno de ser destaque, com exceção do Baby do título do filme em inglês, que guia toda a ação, mesmo diante de um elenco de renome, com Jon Bernthal, Jon Hamm e Kevin Spacey.

Interpretado por Ansel Elgort, Baby é um motorista ágil e que está o tempo todo ouvindo música em seu iPod. Guiado por suas músicas que variam conforme seu humor, ele fala pouco, mas está sempre focado e é o responsável por deixar o espectador quase que o filme todo com o coração acelerado, tanto nos momentos que está dirigindo como também quando está com seu par romântico, Debora (Lily James).

Em uma época onde os filmes pecam por serem simples demais ou confusos sem necessidade, Baby Driver foca em trazer o que todos querem ver. Até durante o segundo ato, quando diminui seu ritmo, Wright faz com que o espectador se envolva com o protagonista e mesmo que as reviravoltas da trama não cheguem a ser surpreendentes, é tudo tão bem executado que você só vai querer ver Baby entrando no carro e ligado seu iPod novamente.

Baby Driver estreia em 27 de julho, mas já está terá pré-estreias em cinemas selecionados nos dois próximos fins de semana. 

Confira o trailer:

Rodrigo Tolotti Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.

Compartilhe

Mais de After hours