Você mantém contato com ex-colegas de uma empresa? Atitude ajuda na carreira

Ao sair de uma empresa, ex-colegas acabam perdendo contato, mas conservá-lo pode ser útil no futuro

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Trabalhando no mínimo oito horas por dia em uma empresa, a convivência com outros funcionários é inevitável, e, apesar de alguns desentendimentos serem normais, também é comum que profissionais desenvolvam laços de amizade. O problema é que, muitas vezes, essa relação se desfaz com a saída de um deles da empresa.

Isso porque, ao seguir um caminho diferente, muitos profissionais acabam não mantendo contato com ex-colegas, embora a atitude possa trazer grandes benefícios para a carreira. Segundo o especialista em carreira e presidente da Curriculum.com.br, Marcelo Abrileri, a rede de contatos é usada a toda hora por uma pessoa, e não se pode menosprezá-la.

“Quando você passa por uma empresa, você constrói amizades e relacionamentos. É bom conservá-los, porque pode ser útil amanhã. Mas tem de estar sempre cultivando, não se pode procurar o ex-colega somente quando está desempregado”, afirma.

Como manter o contato?

Aprenda a investir na bolsa

Porém, na correria do dia-a-dia fica difícil encontrar tempo até mesmo para falar com aqueles amigos de infância, o que dizer dos ex-colegas? O consultor considera que o contato pessoal é sim o mais importante, mas lembra que as pessoas também têm à disposição o telefone, o e-mail e as redes sociais.

“Nem sempre é possível manter o contato pessoal, e nesse caso a internet é válida. Mas tem de tomar cuidado com o tempo que se gasta com isso”, explica. Segundo Abrileri, é necessário encontrar um equilíbrio no tempo gasto com os contatos. “Não se pode direcionar muito tempo, ao ponto de deixar os deveres de lado, mas também não pode deixar largado. O networking deve fazer parte do dia-a-dia do profissional”, diz.

O consultor lembra que manter esse contato é importante tanto para aquele momento em que se está procurando um novo emprego quanto para o momento em que se está numa empresa que precisa de uma pessoa para exercer determinada função. “O profissional pode indicar pessoas para a função, porque já viu ela trabalhando e sabe se é competente”, afirma.