Entre um andar e outro

Veja os hábitos mais irritantes e estranhos no elevador do trabalho

Apenas 15 segundos pode virar demoradas horas de estresse e nervosismo para muitos desafortunados no elevador do trabalho, veja as piores causas

SÃO PAULO – Quem trabalha em prédio comercial sabe o quanto pode ser desconfortável ter de andar de elevador com uma pessoa desconhecida. Um passeio de apenas 15 segundos pode virar demoradas horas de estresse e nervosismo para muitos desafortunados.

Pensando nisso, o CareerBuilder publicou um estudo com mais de 3,8 mil profissionais e levantou os comportamentos mais incomuns e irritantes que eles testemunham diariamente entre um andar e outro.

A pesquisa ainda revela que a maioria desses profissionais considera o elevador uma fonte de ansiedade e de estresse, seja motivados pelas “más companhias” ou pelo medo de ficar preso no elevador.

PUBLICIDADE

Os hábitos mais irritantes
Como pode segundos impactarem tanto no bem estar dos profissionais? A maior reclamação é a educação – ou a falta dela. Parece que muitos trabalhadores se esquecem que, menor que seja o espaço do elevador, ele continua sendo um lugar público.

Apesar de ser muito mal-educado fechar as portas do elevador centímetros antes de uma pessoa seguir viagem ao seu lado, você pode ser absolvido da culpa caso o ex-futuro colega de passeio apresentar um desses péssimos hábitos:

– Falar em um celular;

– Não segurar a porta quando outros estão correndo para alcançar o elevador (aliás, 16% dos entrevistados admitiram cultivar de propósito esse hábito);

– Estar muito perto quando há espaço no elevador;

– Se espremer para entrar em um elevador já lotado;

PUBLICIDADE

– Não deixar outras pessoas entrarem se tem espaço;

– Segurar as portas do elevador por muito tempo esperando algum outro colega chegar (quando há mais pessoas abordo);

– “Furar a fila” e entrar antes das pessoas que estavam esperando há mais tempo;

– Pegar elevador para subir ou descer um ou dois andares;

– Apertar mais de um botão errado para descer;

– Ficar de costas para o elevador, enquanto todos estão olhando para a porta.

Hábitos mais estranhos
Sem um mal comportamento durante o passeio, o que um profissional pode presenciar em um elevador? Segundo a publicação, os exemplos mais incomuns e estranhos são:

– Fazer “cuecão” em um colega de trabalho;

– Trocar fralda de um bebê;

– Usar fio dental;

– Cortar ou pintar as unhas;

– Brinca de “lutinhas” ou brigar para entrar primeiro no elevador;

– Falar ou mostrar problemas pessoais (como uma espinha) e pedir opinião de desconhecidos;

– Demorar minutos em um andar para colocar todos os objetos dentro do elevador;

– Pessoas com os braços cheios de papéis ou outras coisas segurando a porta com a cabeça;

– Danças ou cantos durante o passeio.