MERCADOS AO VIVO EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

Pesquisa

Veja o perfil dos profissionais estrangeiros que estão no Brasil

Segundo pesquisa, 57% dos imigrantes têm pós-graduação

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Um levantamento realizado pela consultoria Vagas Tecnologia revelou o perfil dos profissionais estrangeiros no Brasil. Segundo o estudo, 57% dos imigrantes têm pós-graduação.

Desse total de pós-graduados, 35% informaram que possuem mestrado; 11% deles têm doutorado; 5% possuem MBA e 4% aprofundaram seus conhecimentos em outras especializações. A mostra conta ainda com 7% de bacharéis, 16% possuem cursos complementares e 20% não informaram sua formação.

“São profissionais com uma forte bagagem técnica. É o tipo de trabalhador que está em falta no Brasil e que pode ser uma interessante alternativa para as empresas”, explica a gerente de relacionamento da Vagas Tecnologia, Fernanda Diez.

Aprenda a investir na bolsa

A pesquisa revelou também que 90% dos estrangeiros que estão no País dominam a língua inglesa, enquanto 74% são fluentes em espanhol. Os que conhecem a língua portuguesa representam 48% enquanto os que declararam conhecer outro idioma além dos apresentados somaram 43%.

Desemprego
Apesar dos atributos técnicos, um em cada quatro imigrantes está desempregado. “Temos ainda uma parcela significativa de 11% na amostra que não informou se está trabalhando ou não. Isso nos leva a crer que a parcela de trabalhadores sem uma ocupação no mercado de trabalho pode ser ainda maior”, revela Diez. Os profissionais que disseram estar trabalhando somaram 62%.

Os profissionais imigrantes também informaram em qual área mais gostariam de atuar. Destacaram-se Administração de Empresas, Vendas, Engenharia Civil, Tecnologia da Informação, Marketing, Comércio Exterior e Atendimento a Clientes.

Em relação ao último nível hierárquico em que esse profissional atuou, 58% disseram que atuaram em cargos básicos e operacionais (estagiários, trainees, técnicos, auxiliares e analistas). Um contingente de 31% declarou atuar em posições de média e alta gestão (gerentes, coordenadores, supervisores e diretores). E 11% não informaram o último cargo de atuação.

O país de origem desse profissional foi questionado no levantamento. Da base pesquisada, 45% informaram procedência europeia. Há ainda 32% de sul-americanos, 7% da América do Norte, asiáticos e africanos somaram 6%, cada, e 4% oriundos da América Central.

“O intercâmbio profissional é um fator atrativo em todos os países, especialmente para europeus nesse momento de crise e escassez de empregos. O Brasil pode se beneficiar com as novas regras do Conselho Nacional de Imigração para o trabalho de estrangeiros ao reduzir a quantidade de documentos. Abrir um cadastro eletrônico para empresas que quiserem recrutar fora do País, trazendo pessoal altamente qualificadas também é uma excelente iniciativa”, finaliza Diez.

PUBLICIDADE