Veja as principais mudanças no mercado de trabalho na última década

De 2001 a 2011, os profissionais passaram por muitos governos, por crises econômicas e assistiram a lançamentos de novos produtos

SÃO PAULO – Nos últimos dez anos, o Brasil e o mundo foram palcos de muitas mudanças. Entre 2001 e 2011, os brasileiros passaram pelo final do governo de Fernando Henrique Cardoso, os dois governos exercidos por Luiz Inácio Lula da Silva e o início do governo da presidente Dilma Rousseff. Além disso, o País registrou manutenção da estabilidade conquistada com o Plano Real, de inclusão social e de adaptação.

No mundo, ocorreram as tragédias de cunho terrorista, como os atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos e nos trens da Espanha. Na economia, houve a implantação do euro como moeda oficial da União Europeia, além da crise mundial em 2008-2009. Entre os novos produtos lançados, se destacam os smarphones, as tecnologias 3D, os carros híbridos, entre outros.

O mercado de trabalho não passou ileso por tantas mudanças. Para descobrir quais foram as principais alterações na última década para os profissionais, o Portal InfoMoney conversou com um especialista da área, o sócio-fundador da Alliance Coaching, Pablo Aversa. Confira abaixo:

PUBLICIDADE

Dez principais mudanças

1- Conectividade: para o especialista, uma das principais mudanças dos últimos dez anos é o aumento de celulares com acesso à internet e principalmente, as aparições das redes sociais, com destaque para o Twitter, Facebook e Linkedin. De acordo com Aversa, estas ferramentas impactaram diretamente no networking dos profissionais. “Antes o relacionamento era feito no face a face, hoje não. Isso aumenta muito as chances de ampliarem as conexões”;

2 – Sigilo x imagem: com o acesso às redes sociais, houve aumento de casos em que as pessoas não respeitaram o sigilo profissional e a ética e tornaram público acontecimentos de dentro das empresas. Este tipo de problema não acontecia há dez anos;

3 – Qualidade de vida: na última décadas, os profissionais ficaram mais conscientes sobre a qualidade de vida e isso influencia diretamente nos rumos da carreira. Em outras palavras, as pessoas estão estão pensando duas vezes antes de aceitar um emprego longe de casa. Pensar na mobilidade faz parte do dia a dia dos trabalhadores;

4 – Home-office: o aumento do home-office é o reflexo da preocupação com a locomoção dos profissionais. Para a especialista, as pessoas estão cansadas de serem “escravas de horário” e da agenda corporativa;

5 – Diversidade dentro das empresas: dentro das organizações houve um crescimento em relação à contratação de pessoal com diferentes perfis, incluindo variadas gerações, religiões, necessidades especiais, entre outros. Aversa explica que os empregadores aprenderam que a plurabilidade é positiva aos negócios;

PUBLICIDADE

6 – Bullying e assédio moral: a diversidade dentro das empresas sem a informação fez que as relações de trabalho fossem parar na Justiça. Para o especialista, na última década, houve um aumento de situações de bullying e assédio moral;

7 – Informalidade: nos últimos anos, as gravatas foram sendo afastadas pouco a pouco do ambiente de trabalho. As empresas estão mais flexíveis em relação à vestimenta dos seus profissionais. Para Aversa, a informalidade não está presente somente na maneira de se vestir, mas também nas relações de trabalho;

8 – Economias interligadas: nos últimos anos, aumentou a interligação das economias no mundo, o que torna os países muitos mais vulneráveis. Se antes uma catástrofe natural em uma país de outro continente era algo distante, hoje, esta situação mudou. O que acontece no mundo pode impactar diretamente no Brasil e no seu emprego;

9 – Complexidade: para o especialista, a dependência entre as economias fez que as empresas se tornassem mais complexas e isso incluiu as estratégias de trabalho. “Hoje, os profissionais têm de ser mais flexíveis e resilientes em relação à sua carreira”, diz Aversa;

10 – Agilidade mental: na última década, os profissionais se tornaram mais ágeis para se adaptar a novas situações e desafios.

Que venham os outros anos
Sobre o mercado de trabalho no futuro, que continuará a sofrer mudanças, o conselho do especialista é que, indiferentemente do profissional estar no início ou ser experiente, é fundamental se aprimorar cada dia mais. “O profissional não pode deixar o espírito de esponja de lado”, finaliza.