Veja as atitudes mais irritantes dos chefes e saiba como lidar com elas

Segundo lista, hábito de alguns chefes insistirem que funcionários participem de eventos como happy hours é o mais irritante

SÃO PAULO – Não tomar decisões difíceis; sugerir, em vez de falar abertamente; ou forçar a participação em happy hours e eventos, são algumas das atitudes listadas pelo site Glassdoor.com como as mais irritantes dos chefes.

Baseado neste ranking, o portal InfoMoney ouviu a especialista em soluções de RH (Recursos Humanos) da De Bernt Entschev Human Capital, Aline Lumi Takushi, para saber qual é a melhor maneira de lidar com tais situações.

Participação em eventos
De acordo com o Glassdoor.com, o hábito de alguns chefes de insistirem que seus funcionários participem de eventos como happy hours, festas de aniversários, entre outros, é o mais irritante das situações chatas impostas pela liderança, especialmente quando os gestores não deixam claro que esperam a participação e, posteriormente ao evento, ficam chateados com quem não foi.

PUBLICIDADE

Na opinião de Aline, eventos da empresa, ou com pessoas da empresa, devem ser encarados como uma oportunidade para interagir com outras pessoas do trabalho, de conhecê-las e deixar que as outras pessoas o conheçam.

“Pega mal declinar, mas se os happy hours ou eventos são constantes, a pessoa pode dizer, vez ou outra, que já tinha um compromisso (…) Para quem vai, o ideal é que fique ao menos uma hora e circule bastante”, diz.

Ações de caridade
A pressão para que os funcionários participem de ações de caridade também está na lista das atitudes mais irritantes dos chefes.

Neste caso, explica a especialista, o profissional pode alegar que já ajuda outra instituição; ou mesmo, na hipótese de doações, dizer que a quantia fará falta para o orçamento. Entretanto, ressalta ela, participar deste tipo de ação é sempre simpático e costuma contar pontos na empresa.

Férias
Outra situação irritante listada pelo Glassdoor é o hábito de alguns chefes de procurarem seus funcionários durante as férias.

Para que isso não aconteça, sugere a especialista, vale avisar ao chefe que não terá acesso permanente ao celular ou e-mail, além de deixar todo o trabalho finalizado e sem pendências.

PUBLICIDADE

Encontros intermináveis
A participação em encontros ou reuniões intermináveis também está na lista de situações irritantes, sobretudo quando as reuniões são frequentes, poucos proveitosas e realizadas em momentos que o profissional tem outros projetos para terminar.

De acordo com Aline, nestes casos, o profissional deve fazer tudo que está ao seu alcance para otimizar o tempo da reunião.

Decisões difíceis
Não tomar decisões difíceis é a estrategia escolhida por muitos gestores. Entretanto, em alguns casos, a postura pode prejudicar o trabalho de outros colaboradores

Quem encontra pela frente um líder que não gosta de se indispor e, por isso não toma decisões difíceis, deve, na opinião da especialista, tentar se adaptar com a gestão. Se isso não for possível, diz ela, a opção é buscar outras áreas dentro da empresa, ou mesmo uma oportunidade no mercado.

Uma outra alternativa é buscar a ajuda do RH da empresa, mas essa opção só deve ser considerada, se outras pessoas da equipe também compartilham da opinião

Não delegar
Líderes centralizadores costumam não delegar verdadeiramente as tarefas aos seus colaboradores, o que é considerado irritante pela maior parte dos profissionais. Quando isso acontece, aconselha a especialista, o colaborador precisa ter paciência para ganhar a confiança do chefe.

“São gestores que monopolizam e não confiam. O único caminho é ganhar a confiança deles”, ressalta.

Sugerir, em vez de falar claramente
Outra estratégia adotada por muitos líderes é a de sugerir algo, em vez de falar claramente, o que pode gerar confusões.

Uma maneira de lidar com isso é repetir para o gestor que entendeu do que ele disse, assim o profissional se certifica que está fazendo a coisa certa.