Vai pedir aumento ou ajuda de custos na empresa? Veja como agir!

Segundo especialistas, antes de qualquer conversa com o chefe, o profissional deve se autoavaliar e observar o próprio desempenho

SÃO PAULO – Após um período na empresa, muita gente fica ansiosa por um aumento de salário. Outros, no desejo de investir na própria formação e melhorar a performance, anseiam por uma ajuda de custos para fazer um curso ou mesmo uma pós-graduação. Entretanto, nestas horas, independentemente do objetivo, surge a dúvida: como abordar o assunto?

Segundo especialistas, antes de qualquer conversa com o chefe, o profissional deve se autoavaliar e observar o próprio desempenho no último ano. “A pessoa deve fazer uma análise do próprio desempenho nos últimos 11 meses e dos ganhos que trouxe para a empresa”, observa a especialista em recrutamento da Robert Half, Daniela Ribeiro.

Pleiteando um salário melhor
O CEO do Grupo Soma Desenvolvimento Corporativo, Antonio Carminhato, concorda e completa: “Antes de pleitear um aumento salarial, por exemplo, o profissional deve fazer uma análise imparcial de todos os aspectos envolvidos: salário de mercado, tempo de casa, produtividade industrial, metas atingidas, situação financeira da empresa, entre outros”.

Já ao negociar com a empresa, diz ele, o profissional não deve mencionar dificuldades financeiras ou de ordem pessoal. Além disso, destaca Daniela, em hipótese alguma são permitidas comparações com outros profissionais da empresa, ou mesmo insinuar que existem outras empresas interessadas em seu trabalho.

Por outro lado, explicam, quem pede um aumento deve ressaltar o próprio desempenho, a contribuição para a empresa e, se for o caso, o salário praticado para a função pelo mercado.

E se o desejo for um curso?
No caso da negociação para uma ajuda de custos para o pagamento de um curso, ou de uma pós-graduação, por exemplo, além dos conselhos acima, os especialistas sugerem que a pessoa observe com atenção a instituição e o curso escolhido.

“As pessoas devem considerar que qualquer ajuda ou benefício é um custo para o empregador, assim devem escolher cursos que estejam alinhados com a função e que possam potencializar a carreira dentro da empresa”, explica Carminhato.

No mais, ressalta Daniela, “o profissional deve mostrar para a empresa de que forma a realização do curso contribuirá com o seu trabalho na companhia”.