Trainee ou vaga efetiva: o que considerar antes de fazer esta escolha?

Para especialista, participantes de programas de trainee têm uma visão ampla do mundo corporativo e de suas relações

SÃO PAULO – Processo seletivo concorridos e difíceis, além da possibilidade de não ser efetivado, fazem com que muitos jovens formandos tenham dúvidas na hora de decidir se participam de um programa de trainee ou se buscam uma vaga efetiva no mercado de trabalho.

Entretanto, de acordo com a consultora em RH (Recursos Humanos) do Grupo Soma Desenvolvimento Corporativo, Juliana Saldanha, um programa de trainee pode proporcionar uma formação a mais para o profissional.

“Os processos, muitas vezes, são mais concorridos que os principais vestibulares e têm alto grau de exigência. Porém, caso a pessoa seja aprovada, ela terá uma formação a mais, sem contar que o simples fato de participar de um processo seletivo deste nível já é enriquecedor”.

PUBLICIDADE

Visão ampla
Ainda segundo Juliana, geralmente participantes de programas de trainee têm uma visão ampla do mundo corporativo e de suas relações, pelo fato de terem a oportunidade de passar por várias áreas da empresa.

Efetivado na área de relações com investidores do Grupo CCR, o economista Daniel Cabrera, de 27 anos, que participou do programa de trainee da empresa no ano de 2007, tem opinião semelhante.

“É um caminho para buscar um desenvolvimento de carreira com mais possibilidades, com uma amplitude maior, que, às vezes, profissionais com anos de experiência não possuem”, diz Cabrera.

Como funcionam?
No geral, explica a consultora, os programas de trainee têm duração de um a três anos e possibilitam ao jovem desenvolver projetos em diversas áreas da empresa.

No caso do Grupo CCR, por exemplo, cujo programa de trainee está com inscrições abertas até 29 de agosto, a duração é de um ano, com os contratados ficando cerca de três meses em cada área.

Antes de optar pela participação ou não em um processo de trainee, explica Juliana, o candidato deve observar os pré-requisitos e a idade limite do processo, que, segundo ela, fica em torno de 28 anos. Além disso, diz ela, quem tem dúvidas deve se informar sobre o possível local de trabalho e pensar se terá ou não disponibilidade de viajar, já que muitos programas fazem tal exigência.

Por fim, observa a consultora, os jovens devem considerar que as empresas que possuem um programa de trainee têm um plano de evolução de carreira bem estruturado, o que pode não acontecer em outras empresas.