Grve

Trabalhadores da Volks, em Taubaté, entram em greve após 50 demissões

Nesta terça-feira, 18, funcionários do turno da manhã também devem suspender a produção

arrow_forwardMais sobre
Logo da Volkswagen em linha de montagem
Logo da Volkswagen em linha de montagem

Trabalhadores do turno da tarde da Volkswagen em Taubaté (SP) entraram em greve na segunda-feira, 17, após a empresa iniciar demissões na unidade que produz os modelos up!, Voyage e Gol. O Sindicato dos Metalúrgicos local contabilizou 50 cortes – feitos por meio de cartas entregues ontem -, mas teme que o número seja maior. Segundo a entidade, a montadora alega ter 500 funcionários excedentes, de um total de 5 mil.

 

Nesta terça-feira, 18, funcionários do turno da manhã também devem suspender a produção. Na semana passada, os trabalhadores já haviam decretado estado de greve por temer demissões após recusa de proposta que previa congelamento de salários em 2016 e antecipação de aposentadorias.

PUBLICIDADE

 

Sem confirmar as demissões, a empresa informou, em nota, que várias medidas adotadas ao longo do ano, como férias coletivas e lay-off (suspensão dos contratos de trabalho) não foram suficientes para adequar a produção à demanda do mercado. Também informou que a proposta rejeitada permitiria adequação necessária da estrutura de efetivo e custos da unidade, “que hoje são os mais altos da Volkswagen no Brasil”.

 

GM
Ontem, não houve acordo em audiência no Tribunal Regional do Trabalho de Campinas entre a General Motors e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). Novo encontro foi agendado para sexta-feira, 21. Os quase 5 mil trabalhadores da fábrica estão em greve desde o dia 10, em protesto contra a demissão de quase 800 trabalhadores. Só neste ano, as montadoras demitiram 8,8 mil trabalhadores até julho. Atualmente, o setor emprega 135,7 mil pessoas.

 

Em Gravataí (RS), onde produz os automóveis Onix e Prisma, a GM anunciou férias coletivas de 20 dias, a partir do dia 8, para todo o pessoal das áreas de produção e administrativa do complexo, que emprega 9 mil trabalhadores. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos local, a empresa tem cerca de 30 mil carros em estoque.

PUBLICIDADE

 

No ABC paulista, as fábricas da VW e da Ford estão paradas nesta semana e os aproximadamente 11 mil trabalhadores das duas empresas estão em banco de horas. Na Mercedes-Benz, os 7 mil operários da produção de caminhões e ônibus estão em licença desde o dia 7. A empresa diz ter 2 mil funcionários excedentes, de um total de 10 mil, e avisou ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que iniciará demissões em setembro, após os trabalhadores recusarem proposta de redução de jornada e salários, além de reajustes menores em 2016.

 

No sábado, 15, trabalhadores da Mercedes decidiram em assembleia negociar com a empresa a adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que prevê jornada e salários menores, mas não querem aprovar cortes nos benefícios. Ontem também tiveram início as férias coletivas de 200 operários da Chery, de Jacareí (SP), que segue até dia 5. A produção do Celer está parada.

 

Quinzena
Na primeira metade do mês foram vendidos no País 98,7 mil veículos, 14% menos ante igual período de 2014. Em relação a julho, houve melhora de 4,6%. No acumulado do ano, as vendas estão 20,6% menores que em 2014. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.