Trabalhador ainda aguarda liberação das correções do FGTS

Caixa voltou a pagar os expurgos neste dia 15, mas atrasou liberação do dinheiro para os que solicitaram crédito em conta

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Caixa Econômica Federal (CEF) retomou nesta última terça-feira, dia 15 de julho, os pagamentos dos créditos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) aos trabalhadores prejudicados pelas perdas obtidas na época dos planos econômicos Verão e Collor 1.

Atraso nos pagamentos

Mas nem todos os trabalhadores com direito a estes créditos receberão o dinheiro na data prevista. A Caixa Econômica acabou atrasando o pagamento dos expurgos de diversas contas vinculadas do FGTS, principalmente nos casos em que o trabalhador havia solicitado o crédito do dinheiro diretamente na sua conta bancária.

Muitas pessoas não sabem, mas a Caixa não pode fazer mais do que 50 mil operações de DOC por dia; isto significa que este tipo de transação é limitado, o que atrasa o pagamento dos créditos de muitos trabalhadores.

Aprenda a investir na bolsa

Além de disso, o sistema nacional de compensações também possui um teto de operações por dia, o que significa que muitas vezes esse limite de 50 mil operações diárias se torna impossível, já que a conta suporta todas as operações de DOCs de todos os bancos do país.

Outro motivo alegado pela Caixa Econômica, e que também poderia justificar o atraso dos pagamentos dos expurgos para uma parcela significativa de trabalhadores, diz respeito ao prazo de compensação deste tipo de operação. Isto acontece porque os créditos podem levar até 72 horas para aparecer na conta do beneficiário.

Veja quem recebe neste mês

Nessa fase serão reativados os pagamentos da segunda parcela para os trabalhadores com crédito a receber entre R$ 2.000,01 e R$ 5.000,00 e a primeira parcela daqueles que possuem créditos entre R$ 5.000,01 e R$ 8.000,00.

No primeiro caso, o acordo do governo prevê o pagamento dos créditos em cinco parcelas semestrais, e no segundo caso, em sete parcelas.

Vale lembrar que para os trabalhadores com direito ao crédito entre R$ 5.000,01 e R$ 8.000,00 haverá um deságio de 12% sobre o valor total do crédito a receber. Isto significa que o trabalhador que tiver R$ 6.000,00 em créditos receberá efetivamente R$ 5.280,00 levando-se em consideração o desconto previsto no acordo.

Já os trabalhadores com créditos a receber entre R$ 2.000,01 e R$ 5.000,00 tiveram um desconto no valor total dos créditos da ordem de 8% já na primeira parcela paga no início desse ano.

PUBLICIDADE