RADAR INFOMONEY Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Tempo de trabalho necessário para quitar dívida sobe para 9,57 meses

Em 2004, ele era de cerca de seis meses; volume de crédito cresce acima da massa salarial brasileira, revela economista

SÃO PAULO – Se, em 2004, eram necessários menos de seis meses de trabalho para liquidar todo o crédito tomado por pessoas físicas, em 2007, o período subiu para 9,57 meses (+60%), segundo estudo feito pelo economista Humberto Veiga (www.betoveiga.com).

“Isto significa que o volume de crédito está crescendo a uma taxa muito mais rápida do que a massa salarial brasileira”, disse. O estudo foi realizado com base em dados da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do Banco Central.

As regiões analisadas foram São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Recife.

Crédito x Salários

De acordo com os dados, o crescimento da massa salarial, comparando os meses de novembro de 2004 e 2007, foi de 39%, saindo de R$ 18,7 bilhões para R$ 26,1 bilhões. No mesmo período, houve aumento do número de trabalhadores ocupados (+8%).

O volume liberado de crédito cresceu de 13% da renda dos trabalhadores em 2004 para 19% em 2007. “O crédito líquido está fazendo com que a massa de recursos disponíveis ao trabalhador cresça em torno de 19% mensalmente”, disse.

“Por outro lado, o volume de dívidas aumentou quase 60% (9,57 meses em vez de 6 meses) comparativamente ao salário da população”, completa.

Inadimplência

A inadimplência – operações em atraso de mais de 90 dias – estava em 7,42% do total de crédito concedido às pessoas físicas em janeiro de 2004. No mesmo período de 2007, ela subiu para 7,46%, mas caiu para 7,08% em janeiro deste ano.

“Não podemos fazer uma avaliação eficiente porque podemos perceber que estamos em um momento em que é possível tomar emprestado em um banco para pagar a outro, a famosa bicicleta. Em um momento de restrição que venha a ser adotado pelos bancos, esse número irá realmente aparecer”.