SP: salário médio do trabalhador terceirizado cresceu 78,2% em 25 anos

Entre 1985 e 2010, o número de trabalhadores terceirizados, no estado paulista, passou de 46.779 para 700.206

SÃO PAULO – Um levantamento realizado pelo Sindeepres (Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros), divulgado nesta segunda-feira (17), revelou que o salário médio dos profissionais terceirizados, no estado de São Paulo, cresceu 78,2% entre 1985 e 2010.

Pelos dados da pesquisa, em 1985, o salário médio deste profissional era R$ 544,1, enquanto em 2010, o valor era de R$ 972,4.

Apesar da expansão, estes profissionais ganham 53,6% a menos do que os outros profissionais (conjunto dos ocupados formais) no estado paulista.

PUBLICIDADE

Nestes 25 anos, o número de trabalhadores terceirizados passou de 46.779 para 700.206. O número de empresas de terceirização, no ano passado, chegou a 5.346.

O que reflete nos salários
O estudo indicou também a evolução do salário médio real do trabalhador terceirizado por tamanho de empresa. No ano passado, as empresas com até nove empregados pagavam, em média, R$ 1.015. As que tinham entre 10 e 49 empregados pagavam R$ 1.023, enquanto as de 50 a 99 funcionários, pagavam, em média, R$ 1.065. Já as que tinham 100 ou mais pessoas pagavam, em média, R$ 963.

Ao considerar a idade do trabalhador terceirizado, nota-se que os salários mais altos foram pagos ao mais experientes no mercado de trabalho. Em 2010, os que recebiam os valores médios mais altos eram os que estavam na faixa de idade entre 65 anos ou mais (R$ 1.176), de 30 a 39 anos (R$ 1.053) e de 50 a 64 anos (R$ 1.051).

Os menores valores foram registrados pelos profissionais entre 15 e 17 anos (R$ 590) e de 18 a 24 anos (R$ 820).

Escolaridade e gênero
Ao analisar a escolaridade também é possível destacar diferenças. No ano passado, os trabalhadores terceirizados que cursaram o Ensino Médio Completo recebiam, em média, R$ 2.867, seguido pelo Superior Incompleto (R$ 1.337).

Os trabalhadores que tinham o Ensino Médio completo recebiam, em média, R$ 928, enquanto para aqueles com Ensino Fundamental Completo o valor era de R$ 764. Os que cursaram entre o 6º e 9º ano recebiam, em média, R$ 709. Já entre os analfabetos a média era de R$ 657.

PUBLICIDADE

Em relação ao gênero, os homens, em 2010, registraram salário médio superior ao das mulheres, R$ 1.095 contra R$ 832. Vale destacar que as mulheres representam 46% da mão de obra em estabelecimentos terceirizados. Em 1985, o indicador chegava a 55%.