SP: emprego no comércio cresce 5,7% em maio, diz Fecomercio

Dado é comparativo ao mesmo mês do 2010; frente a abril houve alta de 0,24%. No período, saldo de empregados é de 944.565

SÃO PAULO – O saldo de contratações do comércio varejista da Região Metropolitana de São Paulo registrou crescimento de 5,7% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado, chegando a 944.565 postos de trabalho. 

No confronto com maio deste ano, os dados revelam que houve alta de 0,24%. Os dados baseados, no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), foram divulgados pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) nesta terça-feira (2).

Análise do saldo
De acordo com a entidade, ao analisar separadamente o número de admitidos, o estudo revela que houve um acréscimo de 2.437 vagas – aumento de 5,2% em relação ao mês anterior. Por outro lado, a taxa de demitidos passou de 4,5% em abril (42.581) para 4,9% em maio (46.388).

PUBLICIDADE

Segundo a Fecomercio, este movimento mais lento no ritmo de contratações no comércio varejista é esperado desde o início do ano, em decorrência de um encurtamento da renda dos consumidores, que faz com que o comércio enfrente um período de taxas mais modestas de crescimento em seu faturamento e, com isso, se planeje para continuar contratando em ritmo convergente ao de suas vendas.

Na análise por grupo, os setores de Lojas de Eletrodomésticos e Eletroeletrônicos e de Lojas de Departamentos são os que mais influenciaram o desempenho de maio. A taxa de demissão em Lojas de Departamentos foi de 2,5% em abril para 3,4% em maio, enquanto a taxa de admissão caiu de 3,1% em abril para 3% em maio (era 4,3% em março).

No setor de Lojas de Eletrodomésticos e Eletroeletrônicos, a taxa de demissão subiu de 3,8% em abril para 4,4% em maio ao mesmo tempo em que a taxa de admissão passou de 4,1% para 4,4%.

Rotatividade
Em relação a rotatividade, os dados indicam que no comércio geral, ela passou de 4,7% em abril para 5% em maio. Praticamente todos os setores acusaram taxas de demissão maiores na comparação com os dados de abril, com exceção do setor de Farmácias e Perfumarias.

Os segmentos que registraram as maiores taxas de rotatividade foram Lojas de Vestuário, Tecidos e Calçados (6,6%), Supermercados – Alimentos e Bebidas (5,4%), Materiais de Construção (5,2%), Concessionárias de Veículos (5%) e Móveis e Decorações e Farmácias e Perfumarias, ambas as atividades com 4,9%.

Salários médios
Sobre os salários do comércio, a média registrada em maio foi de R$ 1.402. A atividade que registrou o maior salário foi Lojas de Departamento, com R$ 2.254. Já entre as atividades com menor média salarial destacam-se Supermercados – Alimentos e Bebidas (R$ 1.191), Materiais de Construção (R$ 1.280), Lojas de Vestuário, Tecidos e Calçados (R$ 1.347), Móveis e Decorações (R$ 1.374) e Farmácias e Perfumarias (R$ 1.443).