SP: deficientes auditivos e reabilitados são os mais bem pagos de 2010, diz Fiesp

Enquanto a remuneração média de pessoas com problemas auditivos foi de R$ 2.665, a de reabilitados ficou em R$ 2.526

SÃO PAULO – Os portadores de deficiência auditiva e os reabilitados estão entre os profissionais com necessidades especiais mais bem pagos pela indústria no estado de São Paulo. Para se ter uma ideia, a estimativa é que a remuneração média deles tenha atingido, em 2010, cerca de R$ 2.665 e R$ 2.526, respectivamente.

Os dados divulgados na quarta-feira (23) fazem parte do relatório O Cenário do Emprego da Pessoa com Deficiência no Estado de São Paulo, da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

“As pessoas com deficiência física e auditiva têm maior poder de absorção pelo mercado, devido às poucas adaptações relativas à acessibilidade estrutural, comportamental e atitudinal que exigem das indústrias”, detalha o relatório.

PUBLICIDADE

Impasse à vista
O levantamento permitiu ainda a observação de um problema recorrente do setor: a divergência entre os salários pagos aos colaboradores, que muitas vezes recebem um salário de acordo com o tipo de deficiência que apresentam.

Para se ter uma ideia, os portadores de deficiência mental costumavam receber no mesmo período, uma média de R$ 1.066 – esta considerada a menor da categoria.

“Enquanto o número de profissionais com deficiência física e auditiva ultrapassou 10 mil contratações no estado de São Paulo no último ano, os deficientes visuais e mentais não atingiram nem a metade desse valor”, demonstra o estudo.

Além disso, dificilmente as funções destinadas aos deficientes costumam se encontrar no mesmo patamar dos cargos oferecidos aos demais profissionais – que não possuem deficiência “E isso ocorre apesar dos deficientes receberem qualificação e treinamento para desempenhar as mesmas funções”, conclui a pesquisa.