Você aceitaria?

Site permite que profissional deixe recados anônimos para chefe

Tem problemas para conversar com seu chefe? Conheça o site canadense que revolucionou a comunicação entre superiores e subordinados

SÃO PAULO – Esqueça os post-its deixados em sua mesa para falar com o departamento de Recursos Humanos ou aqueles e-mails escritos e reescritos após dias pensando no que dizer ao seu chefe, quando há algum problema na empresa – ou com ele. Um grupo de web design canadense da empresa Happiily revelou uma nova maneira de dizer ao seu chefe o que você realmente pensa sobre ele e suas ações de liderança. O site Tellyourbossanything.com, lançado há algumas semanas, permite aos usuários enviar comentários anônimos para seus superiores, sem medo de represálias.

Segundo o site, o objetivo é “construir ferramentas que ajudam os gestores serem melhores e tornarem seus profissionais mais felizes”. No entanto, mesmo que deixaria muitos deles contentes se tivessem a oportunidade, a ferramenta bloqueia palavrões ou frases que poderiam ofender os respectivos líderes.

Caso isso aconteça com frequência, eles podem marcar a mensagem e pedir ao site que identifique quem escreveu o comentário maldoso. Os chefes também podem responder as mensagens, mas deverão pagar por elas uma mensalidade em torno de U$ 20, após o primeiro “feedback”.

PUBLICIDADE

“É uma maneira fácil [para os trabalhadores] para se sentirem seguros que não receberão punição caso seu gestor não goste do recado”, contou o fundador da Happiily, Tom Williams, ao BusinessWeek. 

Necessidade brasileira
O site canadense não tem previsão se virá para o Brasil. Em todo o caso, para o gerente de projetos do Grupo Empreza, Rudney Pereira Junior, a ferramenta mostra a falta de comunicação que há entre os chefes e seus subordinados.

“Ele surgiu de uma necessidade que a maioria das empresas não consegue suprir. A falta de comunicação e um ambiente propício para deixar os profissionais à vontade em procurar seus chefes atinge a maioria das empresas, não só as canadenses, mas principalmente as brasileiras”, explica.

Ele também analisa que aplicando essa prática para a cultura brasileira, o site poderia perder sua função de “dar feedback” sem represálias e se tornar um lugar onde o profissional pode desabafar de maneira inadequada. O que, em outras palavras, seria uma “lavação de roupas sujas” em plena rede.

“O brasileiro é muito passional. Não consegue separar o profissional do pessoal e acaba sofrendo com a situação. Isso acontece com os dois lados: tanto com o subordinado que pode xingar o chefe em um surto nervoso, quanto o gestor ficar com raiva dos comentários e – por não saber de que são – poderia descontar em toda a equipe”, diz.

Mesmo não existindo a possibilidade de deixar recados sinceros e anônimos por ai, ambos profissionais devem investir em uma boa relação. “Se der um ambiente favorável, com ações transparentes e deixando claro os objetivos e valores da empresa, não há motivo para os subordinados não procurarem seus superiores e conversarem, presencialmente, sobre as dificuldades que eles enfrentam”, sugere o gerente de projetos.