“Síndrome da Gabriela”: profissionais devem ter cuidado com inflexibilidade

Segundo especialista, comportamento leva ao não crescimento na carreira e performance menor da equipe

SÃO PAULO – “Eu nasci assim, eu cresci assim, e sou mesmo assim, vou ser sempre assim… Gabriela… sempre Gabriela”. O trecho da música cantada por Gal Costa exemplifica um problema comum no ambiente de trabalho: a inflexibilidade. Ao menos, esta é a análise do presidente do CFA (Conselho Federal de Administração), Sebastião Luiz de Mello.

“O mercado de trabalho está cheio de profissionais com a síndrome da Gabriela. São aquelas pessoas que, mesmo qualificadas tecnicamente, se recusam a mudar por acreditarem que as coisas devem ser feitas do seu jeito”, diz Mello.

As consequências de tal comportamento, explica o especialista, é o não crescimento na carreira e, no caso de líderes, uma performance menor da equipe.

PUBLICIDADE

“Quem tem esse comportamento prejudica não só a si mesmo, mas toda a empresa. Afinal de contas, não é possível crescer e alcançar metas realizando procedimentos que já não são satisfatórios (…) Com esse discurso, muitos profissionais com potencial ficam estacionados no tempo”, ressalta o presidente do CFA.

Como reconhecer?
Algumas frases são típicas de profissionais inflexíveis. As mais famosas, segundo Mello, são as seguintes:

  • “vamos fazer assim, pois sempre fizemos desta maneira”;
  • “Sei que isto é bom, mas prefiro fazer do meu jeito”;
  •  “Eu sinto muito, mas sou assim”.

Dentre os motivos que fazem com que estes profissionais se comportem de tal maneira, o especialista acredita que o medo de não dar certo, de errar ou de receber críticas, se destacam. Para quem sofre da apelidada “síndrome da Gabriela” o caminho, sugere Mello, é repensar as atitudes e começar  a mudar de postura.

“O processo de mudança nem sempre é fácil: exige trabalho, planejamento e força de vontade. Por isso, muitos preferem continuar fazendo as mesmas coisas no trabalho e na vida pessoal, perdendo a oportunidade de conhecer novos caminhos, amadurecer e descobrir novas possibilidades”.