AO VIVO Saiba quando entrar e sair das operações na Bolsa

Saiba quando entrar e sair das operações na Bolsa

Sindicatos divergem sobre greve dos trabalhadores do setor aéreo

Já o representante do Sindicato das Empresas Aéreas diz que a possibilidade de haver greve as vésperas do Natal é zero

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aéreas) fechou nesta terça-feira (20) um acordo com a FNTTA (Federação Nacional dos Trabalhadores em Transporte Aéreo ), entidade ligada à força Sindical com representividade no Rio de Janeiro, em São Paulo e Amazonas.

Com o acordo, o Snea afirmou que não há possibilidade de paralisação às vésperas do Natal. Já a Fentac (Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil) garante que a greve acontecerá.

“As empresas aéreas estão empenhadas para que não haja nenhum transtorno no final do ano. Têm absoluta confiança nos aeronautas e aeroviários, sabem que são profissionais sérios e jamais entrariam nessa aventura de fazer uma greve na véspera do Natal, deixando a sociedade brasileira refém dessa situação”, afirmou o consultor de Recursos Humanos do Snea, Odilon Junqueira.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com a Agência Brasil, Junqueira garantiu que a chance de uma paralisação é zero. Segundo ele, foi feito um acordo possível, com reposição integral da inflação e reajuste de 10% dos pisos salariais, assim como dos tíquetes-refeição e das cestas básicas.

Fentac
Por outro lado, o presidente da Fentac, Celso Klafke, garantiu que o idicativo de greve para o próximo dia 22 está mantido.

A opinião da entidade ligada à CUT (Central Única dos Trabalhadores) diverge do acordo fechado com a FNTTA. A reunião que aconteceu no Rio de Janeiro não contou coma participação dos aeronautas, que incluem pilotos, co-pilotos e comissários.

Klafke ressaltou que a Fentac representa 60 mil trabalhadores, entre aeroviários e aeronautas, e garantiu que a greve acontecerá a partir das 23h do dia 22.

“Nós insistimos na necessidade de algum índice de aumento real. Além disso, temos divergência quanto a um novo piso que reivindicamos para operador de equipamento. Nós queremos R$ 1.100 e eles oferecem R$ 1.000. São as duas divergências que separam o Snea e os sindicatos da Fentac, que são a grande maioria dos aeroviários e dos aeronautas”, explicou Klafke.