Setor de serviços contabiliza receita líquida de R$ 501,1 bilhões

Na classificação por participação no valor adicionado, segmento de serviços prestados às empresas ficou em primeiro lugar

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Quase 960 mil empresas atuavam no setor de serviços não-financeiros em 2006. Juntas, elas alcançaram R$ 278,2 bilhões em valor adicionado e R$ 501,1 bilhões em receita operacional líquida, e empregaram cerca de 8,2 milhões de pessoas, cujos salários, retiradas e outras remunerações totalizaram R$ 95,1 bilhões.

Os dados integram a PAS 2006 (Pesquisa Anual de Serviços), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e divulgada nesta quarta-feira (30).

O setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio geraram a maior receita operacional líquida (R$ 149,7 bilhões, 29,9%), seguido por serviços de informação (R$ 28,7%) e serviços prestados às empresas (21,5%).

Aprenda a investir na bolsa

Entretanto, na classificação por participação no valor adicionado, o segmento de serviços prestados às empresas ficou em primeiro lugar (R$ 80,3 bilhões). No que se refere a pessoal ocupado, salários, retiradas e outras remunerações, os serviços prestados às empresas também foram o principal segmento, com 3 milhões de contratados e R$ 31,6 bilhões em remunerações.

Serviços prestados às famílias

Quanto aos serviços prestados às famílias, ou seja, as atividades voltadas para o consumidor final, que incluem serviços de alojamento, alimentação, culturais e recreativos, pessoais e atividades de ensino continuado, destacaram-se os restaurantes, bares, lanchonetes e fornecimento de alimentação pronta.

Os serviços de alimentação foram a atividade mais importante em geração de receita (R$ 29,3 bilhões ou 63,7% do total), bem como quanto aos salários, retiradas e outras remunerações (59,6%), ao pessoal ocupado (64,5%) e ao número de empresas (68,9%).

Havia cerca de seis pessoas ocupadas por empresa de serviço prestado à família. As empresas de alojamento apresentaram um porte elevado, acima da média do total das atividades de serviços desta categoria, com 11 pessoas ocupadas por empresa. Já as atividades recreativas obtiveram resultados acima da média para os indicadores de salário médio mensal (dois salários mínimos) e produtividade (R$ 21,8 mil).

Classificação por porte da empresa

A PAS revelou também que, entre 2000 e 2006, a participação das grandes empresas no total do valor adicionado do setor de serviços não-financeiros aumentou, passando de 48,5% para 50,7%, impulsionada pelo crescimento no segmento de serviços prestados às empresas.

Dentro deste segmento, o destaque é a atividade de seleção, agenciamento e locação de mão-de-obra temporária. Por outro lado, as grandes empresas do segmento de serviços de informação e do segmento de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio apresentaram queda de participação.

PUBLICIDADE