Setor de eventos tem grande oferta de vagas e busca profissionais capacitados

Segundo o coordenador do curso tecnológico em eventos da Anhembi Morumbi, setor está aquecido e precisa de mão de obra

SÃO PAULO – Copa do Mundo, Olimpíada, Jogos Mundiais Militares e tantos outros grandes eventos internacionais são apenas uma parte do mundo de oportunidades aberto por esse mercado no Brasil. O setor de eventos gera milhões em recursos e não para de abrir postos de trabalho, negócios e marketing no país.

Atualmente, o Brasil é o sétimo país do mundo em eventos internacionais, de acordo com a ICCA (Associação Internacional de Congressos e Convenções). Foram 293 eventos internacionais sediados em território brasileiro apenas em 2009. Toda essa movimentação gera necessidade de capacitação profissional e demanda um grande número de profissionais especializados em gestão, organização e promoção de eventos.

Uma das instituições que percebeu as amplas possibilidades que esse segmento gerou é a universidade Anhembi Morumbi, que idealizou há quase uma década o curso tecnológico em eventos, com duração de dois anos e foco na gestão, construção e promoção do negócio eventos. Segundo o coordenador do curso, o professor Francisco de Canindé Gentil Vieira, a área requer qualificação, já que muito do que é realizado em eventos não tem o grau de profissionalismo necessário. “Muitas pessoas com formações distintas atuam hoje em eventos. Sentimos a necessidade de que haja uma formação técnica, humana, operacional, mas que sobretudo capacite os profissionais a serem inovadores e criativos na concepção dos eventos”, destaca.

PUBLICIDADE

Segundo o docente, o mercado está aquecido e deve permanecer desta forma nos próximos anos. “Não há uma área em que não podemos encontrar eventos, e eles são moldados de acordo com a demanda, a expectativa ou meta da empresa, pessoa ou organização. Hoje, eventos são formas de aproximar marcas e consumidores, espaços para negócios e podem representar muito mais para as empresas”, afirma Canindé.

Perfil
Como há poucos cursos específicos para a área de eventos, o perfil de quem atua na área é bastante heterogêneo, com destaque para a atuação de muitos profissionais de marketing e relações públicas, que costumam ocupar essa lacuna.

Os cursos na área costumam conter disciplinas voltadas para a formação mais técnica dos profissionais da área, como gastronomia, planejamento, hospitalidade, marketing, gestão e comunicação. Na Anhembi, os alunos têm uma grade reforçada nas lições de administração, empreendedorismo e projetos. “Não queremos que os alunos saiam com uma fórmula sobre eventos, mas que saibam identificar a demanda e a expectativa de quem está construindo o evento, e trabalhar isso da forma mais criativa e estratégica possível”, afirma Canindé.

Para o professor, quem gosta e tem a intenção de trabalhar com eventos deve ter três características fundamentais. “É preciso gostar muito de se relacionar, ter um grande potencial criativo associado à força de vontade e ter grande disponibilidade para conhecer e identificar diferentes públicos e universos profissionais”, enumera.

Possibilidades
Como há eventos de diferentes proporções, áreas, setores e negócios, é difícil mensurar quanto um profissional pode faturar trabalhando neste segmento. “Isso está associado a vários fatores, mas podemos dizer que um profissional de assistência a eventos costuma ganhar a partir de R$ 2 mil. Depois, ao longo do envolvimento, da capacitação, o céu é o limite. Há pessoas que faturam R$ 10 mil, R$ 15 mil ou R$ 20 mil com esse negócio”, ressalta.

Além das empresas especializadas em organizar e promover eventos, outra oportunidade é atuar dentro de empresas de diversos setores, que cada vez mais organizam departamentos voltados para os eventos. “Há uma ampla gama de possibilidades, que aumenta com o aquecimento da economia brasileira e a necessidade de usar os eventos como estratégia para diferentes metas e objetivos empresariais”, ressalta Canindé.

Na Anhembi Morumbi, a mensalidade é de R$ 897,58 e o curso dura dois anos. Outras instituições que oferecem o curso tecnológico têm variação no preço, como no Centro Universitário Fieo, com mensalidades de R$ 485, e na Uniban, de R$ 329.