Setor de call center pode ser sinônimo de inserção e mobilidade profissional

Muitos jovens começam como operadores e depois passam a ocupar cargos de supervisão ou administrativos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Conseguir uma oportunidade de trabalho sem ter experiência profissional é um dos maiores desafios dos jovens hoje em dia. Diante deste cenário, o setor de call center é um dos segmentos que mais contratam esses profissionais. Porém, engana-se quem pensa que o setor serve apenas como porta de entrada para o mercado de trabalho. As empresas especializadas em telecomunicações também possuem plano de carreira.

Segundo dados da ABT (Associação Brasileira de Teleserviços), o segmento de call center emprega 850 mil pessoas. E as previsões para este ano é de um crescimento de, pelo menos, 10% no número de contratações.

Plano de carreira

Aos 19 anos, Carlos Brito inciou sua vida profissional na SPCOM, empresa de call center, como operador de telemarketing. Depois de nove anos na companhia, ele é o coordenador de operações. “Toda a minha história profissional está dentro da empresa e se reflete na minha ascensão cultural: me formei em Publicidade e Propaganda em 2005 e tenho planos de inciar uma pós-graduação este ano”.

Aprenda a investir na bolsa

História parecida de sucesso profissional tem Alessandra Almeida, que trabalha na mesma empresa há 15 anos. Seu primeiro cargo foi de recepcionista, logo depois se tornou operadora de telemarketing, em seguida passou a desempenhar a função de supervisora e, atualmente, está no departamento financeiro.

Para a presidente da SPCOM, Alessandra Periscinoto, o setor de call center funciona como um importante local de aprendizado profissional.

“Ao contratar jovens sem experiência profissional, mais do que oferecer a primeira oportunidade de emprego, o segmento de call center funciona como um importante local de aprendizado para o jovem, onde ele aprende na prática sobre o profissionalismo e responsabilidade. Temos muito orgulho de desempenhar esse papel”.

Setor

Por muitas vezes não exigir experiência profissional, o segmento de call center acaba investindo em um forte treinamento dos seus funcionários e em tecnologia.

“O treinamento de pessoas é uma área sensível em qualquer empresa. Para o segmento de call center, o bom preparo de todas as equipes é vital e determina o sucesso ou fracasso das operações”, afirma o gerente de operações da SPCOM, Jair Margutti.