Senado examina projeto que regula o salário-maternidade pago pelas MPEs

Proposta prevê que o encargo seja pago diretamente pela Previdência Social nas empresas com até 10 empregados

SÃO PAULO – As micro e pequenas empresas (MPEs) poderão se ver livre do financiamento do salário-maternidade, que atualmente é feito com capital de giro próprio, em função da demora do ressarcimento previdenciário para tal fim. Ao menos é essa a previsão do Projeto de Lei nº 1219/11, do senador Antônio Carlos Júnior (DEM/BA).

Segundo a proposta, que altera a lei número 8.213/91, as empresas com até 10 empregados poderão ser isentas da obrigatoriedade, sendo o benefício pago diretamente pela Previdência Social.

“Para as empresas optantes pelo Simples Nacional, o obstáculo se torna intransponível, tendo em vista que a Contribuição Patronal Previdenciária para a Seguridade Social integra o único tributo por elas devido”, informa a Fecomercio-SP.

PUBLICIDADE

Tramitação
Atualmente, o projeto aguarda a designação do relator na Comissão de Seguridade Social e Família.