Semana de 4 dias de trabalho começa a ser testada no Brasil; veja empresas participantes

22 empresas passaram por três meses de treinamento antes de iniciar experimento

Anna França

Pixabay

Publicidade

Depois de quase quatro meses de planejamento, as 22 empresas inscritas no programa “4-Day Week” no Brasil começaram a testar neste mês o novo sistema de trabalho.

O projeto-piloto vai testar como pode funcionar uma semana laboral de quatro dias na prática. Nos últimos três meses, as companhias participantes puderam conhecer melhor a iniciativa, que começou em 2019 na Nova Zelândia e já se espalhou por vários países de Europa, África e Américas sob a gestão da comunidade 4-Day Week Global.

No Brasil, a estratégia vem sendo implementada em parceria com a consultoria Reconnect Hapiness at Work. “As empresas avaliaram os modelos e como isso poderia se encaixar dentro de sua realidade. Agora estão prontas para implementação efetiva”, diz Renata Rivetti, fundadora da Reconnect.

Download Gratuito

Guia Onde Investir 2024

Descubra as melhores oportunidades para lucrar e se proteger em 2024

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Mais de 70% das empresas participantes do piloto decidiram testar a semana de quatro dias com todos os funcionários, enquanto 6 organizações vão experimentar a jornada reduzida só em alguns departamentos.

As empresas estão localizadas, majoritariamente, em capitais e grandes centros do país em 4 estados (nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Campinas).

Segundo o movimento “4-Day Week” já são quase 500 companhias pelo mundo testando a modalidade de jornada em que o profissional continua recebendo 100% do salário, mas trabalha 80% do tempo e, em troca, se compromete a manter 100% de produtividade. É por isso que o modelo ficou conhecido como 100-80-100.

Continua depois da publicidade

Ao longo da etapa de preparação, as empresas estabeleceram um cronograma para a implantação da jornada reduzida. Segundo Renata, os representantes das companhias avaliaram suas realidades e sua cultura, com foco em inovação, produtividade e humanidade.

Durante o planejamento as empresas continuaram na semana 5 dias até definirem melhor qual seria a melhor estratégia, se adotaria a sexta, por exemplo, ou sistema de rodízio entre as equipes. Também foi estabelecido como irão esclarecer os pontos com clientes, funcionários e outras partes importantes ao processo. Além disso, foram iniciadas as primeiras pesquisas com o pessoal da Fundação Getulio Vargas (FGV) para acompanhar todo o processo.

Desafios

As empresas afirmam que entre os principais motivos para estarem no piloto estão os desafios para atrair e reter talentos, melhorar a produtividade e engajamento, mudar a forma como se trabalha, e, claro, aumentar a qualidade de vida de seus colaboradores.

De acordo com a Reconnect, a intenção é buscar formas mais eficazes de trabalhar e lidar com a sobrecarga de trabalho, absenteísmo (falta de pontualidade) e presenteísmo. “A mudança está alinhada com o objetivo de saber priorizar tarefas, organizar o trabalho de forma mais produtiva e, ao mesmo tempo, promovendo ambiente de trabalho saudável”, conclui o estudo da FGV.

Para outras empresas mais engajadas em sustentabilidade, conforme o relatório, a decisão de se juntar ao piloto reflete a ação dessas organizações em mudar a forma como o trabalho é executado, mostrando que é possível crescer criando espaço para o descanso e priorizando o bem-estar.

O resultado esperado, além da melhora da saúde mental dos colaboradores, é o aumento da produtividade e do desempenho financeiro, bem como a redução do turnover (rotatividade) de colaboradores e maior atração de talentos.

Lá fora

Em visita ao Brasil, no final de 2023, David Carvalho Martins, advogado trabalhista português e sócio do escritório Chiode Minicucci/Littler, falou sobre a experiência da jornada reduzida de trabalho em Portugal.

Segundo ele, os resultados não foram tão animadores por lá como foram na Nova Zelândia. Para ele, o modelo pode até ser eficaz para países mais desenvolvidos, mas não para os mais carentes, onde a renda é mais baixa, como Brasil e Portugal, que fica entre os mais pobres da União Europeia.

“A medida pode desencadear a oportunidade de os empregados arrumarem outros empregos para complementar a renda. E, se o objetivo era o descanso, ele acaba se revertendo em mais trabalho”, explica.

Para Renata, isso não invalida o programa. “Todos estão animados e engajados por aqui, mas sempre deixamos muito claro que este é um projeto de produtividade e não apenas redução de horas”, explica.

A especialista acredita que é possível que algumas pessoas consigam outros trabalhos para as horas de folga. “Mas pode ser um trabalho que traga mais realização e significado, o que não gera sobrecarga”, diz.

Ter mais tempo para passar com a família e ter relações com mais qualidade é o objetivo, mas, para a especialista, a possibilidade de alguém que tenha o sonho de trabalhar com um hobby também é qualidade de vida. “É claro que este projeto fala principalmente de trabalhos intelectuais, que precisam de momentos de recuperação de estresse”.

Repensar a carreira

Pesquisa recente, da empresa de educação Pearson, mostrou que 76% dos trabalhadores estão repensando suas carreiras, especialmente depois da pandemia de Covid-19. Outro estudo feito pelo Gallup apontou que 59% dos trabalhadores têm feito o mínimo possível, num movimento que ficou conhecido no mundo inteiro de “quiet quitting”, ou demissão silenciosa, em que o profissional faz apenas o mínimo necessário para manter o emprego. O burnout também vem avançando assim como seus custos, avaliados em cerca de US$ 322 bilhões em todo o mundo.

Outros estudos mostram que cerca de 73% das pessoas fazem outras coisas durante uma reunião, por exemplo, e 71% das reuniões são consideradas improdutivas e ineficazes, segundo Renata Rivetti, fundadora da Reconnect. “As reuniões são apontadas por 54% dos trabalhadores como o grande fator de perda de produtividade, por serem frequentes, longas e mal administradas com assuntos irrelevantes em 25% das vezes. Por isso, mostramos que uma agenda detalhada ajuda a diminuir o tempo de reunião em até 80%”.

Todos esses dados são considerados importantes, segundo o advogado David Carvalho Martins. Mas ainda há um dilema entre conciliação de vida familiar e necessidade das pessoas. “Além disso, há falta de incentivos do Estado e problemas em questões trabalhistas a serem vistos”, diz. Para ele, o modelo reduzido de trabalho precisará resolver questões ligadas à confidencialidade das informações, quando o funcionário trabalhar para um concorrente, ou problemas como acidentes de trabalho ocorridos no deslocamento entre vários empregos.

A questão trabalhista, inclusive, vem sendo umas grandes preocupações das empresas durante as discussões no Brasil. De acordo com Rivetti, há um grande receio em relação à CLT. Por isso, o projeto conta com uma assessoria jurídica que tem proposto acordos com categorias e sindicatos, “para não correr riscos e mostrar que a iniciativa é um projeto-piloto e que tudo pode voltar ao normal, se não funcionar, não configurando retirada de direitos adquiridos”.

Veja lista das empresas inscritas no projeto, que autorizaram divulgação:

Ab Aeterno
Agência PiU Comunica
Alimentare Nutrição e Serviços Ltda
Brasil dos Parafusos Comercial Ltda
Clara Associados
Clementino & Teixeira Advocacia
Editora MOL
Forte Urbano
GR ASSESSORIA CONTABIL SOCIEDADE SIMPLES
Greco Design
Haze Shift
Hospital Indianópolis
Innuvem
Inspira
Maker Brands
NOONO Studio
Plongê
Smart Duo
Soma CSC
Thanks for Sharing
Oxygen

Tópicos relacionados

Anna França

Jornalista especializada em economia e finanças. Foi editora de Negócios e Legislação no DCI, subeditora de indústria na Gazeta Mercantil e repórter de finanças e agronegócios na revista Dinheiro.