Sem hipocrisia: é impossível separar o pessoal do profissional

Mas temos que fazer o que estiver ao nosso alcance para aceitar diferentes opiniões e personalidade no trabalho

SÃO PAULO – “É uma grande balela o que se aprende nas escolas de administração, que o indivíduo pode e deve separar o pessoal do profissional. Não dá para ter problemas sérios no trabalho e chegar em casa sorrindo, como se nada tivesse acontecido. Está tudo registrado no nosso inconsciente”, garante o coach e autor do livro “Executivo, o super-homem solitário”, Emerson Ciociorowski.

“Quantas vezes não acontece de estarmos em uma importante reunião de negócios, na qual se discute um tema complexo, e temos flashes de problemas que vivenciamos na família?”, indaga.

Assim, não existe um botão que apertamos ao chegar na empresa, que nos faz esquecer de nossos problemas financeiros, de saúde, de relacionamento, entre tantos outros. “As empresas não podem exigir isso do funcionário. Pelo contrário, acho até que elas devem, com certo limite, ajudar. Se o funcionário está com uma grande dívida, por exemplo, pode valer muito a pena contratar um coach financeiro para ele”, explica.

Armadilhas

PUBLICIDADE

O empresário, palestrante e consultor organizacional Milton Nonaka concorda. “O ser humano é um só”, diz ele. Por isso mesmo, caímos em armadilhas e causamos situações difíceis de resolver, principalmente nas relações interpessoais. É extremamente difícil, mas temos que tentar separar o pessoal do profissional no trato com o próximo.

Na opinião de Nonaka, a melhor forma de fazer isso é observando o que é possível aprender com aquela determinada situação, o que significa dizer que é necessário ver seu lado positivo. “Mesmo que não goste de uma pessoa, você tem que suportá-la, aprender a lidar com ela. Isso é ser profissional. Nada é por acaso. Logo, se seu chefe ou seu colega te incomoda, é porque você tem o que aprender com ele. É fácil nos relacionarmos com quem nos damos bem. É nas relações difíceis, entretanto, que damos um grande salto no aprendizado, o que pode fazer diferença lá na frente, quando chegar a hora de ocupar uma posição de liderança”.

Segundo ele, é essencial para a carreira adquirir tolerância para aceitar diferentes opiniões, personalidades, estilos, religiões, culturas. “Somente com essa tolerância conseguimos administrar centenas de pessoas, entre subordinados, clientes, colegas, chefes, fornecedores, parceiros e acionistas. O profissional com essa visão tende a crescer nas empresas, pois o mercado carece de pessoas que sabem acolher as diferenças”.

Nonaka enfatiza que é possível ter amigos verdadeiros no trabalho. Mesmo que haja competitividade, o que é normal, o profissional com a meta da tolerância não encara seus colegas como inimigos, mas como pessoas com as quais tem muito a aprender. “Nesse caso, a competição pode ser positiva para todos, que podem crescer profissionalmente”.

Agora, se a relação é extremamente desgastante, estude outras possibilidades. “Caso seu chefe ou colega não seja digno de sua confiança e não te respeite, vá em busca de outros caminhos. Tente mudar de departamento ou de emprego. Neste último caso, ao procurar por um novo posto de trabalho, dê preferência às empresas cujos valores estão alinhados aos seus. Os valores norteiam os procedimentos e a filosofia de trabalho da empresa. Se eles não tiverem a ver com você, as chances de um novo conflito interno são grandes”, explica Ciociorowski.